A MENSAGEM DE LEVÍTICO PARA HOJE

0

diciembre 25, 2013 by Bortolato

Bíblia com fogo

Certa vez ouvi uma palestra que se embasava num trecho bíblico onde havia apenas uma genealogia.     Durante a leitura, fiquei pensando o que de excepcional poderia haver em algo semelhante a um trecho de uma lista telefônica, onde só aparecem nomes e nomes, inúmeros, sendo alguns até repetidos…

Com o desenvolver da prédica, comecei a ver que incrivelmente a Bíblia tem profundas mensagens que estão por trás de textos os mais secos, os mais áridos, e que nossas mentes, ainda captaram, não visitadas e reveladas pelo Espírito Santo ali.   É como se contemplar uma belíssima flor que desabrocha de um cacto no meio de um deserto – quando se pensa que veremos somente sequidão de estio, somos surpreendidos pela sabedoria superexcelente de Deus.   É, na verdade, aprender uma lição que sacode nossos conceitos limitados e estreitos a respeito da Palavra de Deus.

Assim também acontece com o livro de Levítico.

Como podemos entendê-lo?

Um livro que parece apenas apresentar leis, e leis sobre sacrifícios, rituais religiosos, e condições para ser exercido um sacerdócio…  

E se trouxéssemos à tona o que  está por trás de sua linguagem analógica, o que encontraríamos?   Haveria, deveras, alguma mensagem que calasse os conceitos e filosofias humanos, que ultrapassasse os lindes do que é aparentemente inócuo e cansativo?  De fato há!   E veremos que encontraremos mais que simples analogias, mas uma fina rede de pescador, que nos trará, no seu arrastão, os peixes, grandes e pequenos, alimento farto, abundante, substancial, e  sempre com aquele gosto de satisfação para quem tem fome e desejo de obter mais de Deus – ali mesmo onde não se via nem sombra de tal alimento – tal e qual a pesca maravilhosa de Jesus.  

Levítico, ao que pudemos ver, foram palavras que Deus usou para ao mesmo tempo mostrar e ocultar.    Foi deixado aos contemporâneos de Moisés apenas o suficiente para aquele momento, mas para os que puderam ver o que aconteceu com a vida de Jesus, agora, na Era da Igreja, foi uma grande revelação.

Como?  Como poderemos perceber e extrair de Levítico aquilo que Deus nos quis trazer para os nossos dias?

Leiamo-lo como se estivéssemos lendo uma história dramática que se desenvolve no seio de uma família, levada a um tribunal, onde se desenrola um psicodrama.

Um psicodrama!  Mas não um psicodrama comum.   Este nome se dá à técnica psicoterapêutica que coloca atores que substituam pessoas envolvidas em algum drama que tenha trazido profundos sentimentos revolvidos das memórias de uma alma que sofre só em mencioná-los.    Assim funciona tal prática usada por psicólogos, com o intuito de aliviar a carga de problemas não resolvidos dentro da psique das pessoas.

O psicodrama de que falamos, do livro de Levítico, é, contudo, diferente em certos aspectos, porque  a Pessoa envolvida mais profundamente é a Pessoa Divina.   Outras pessoas também aparecem nessa trama – todo um povo – mas este sendo tratado individualmente, um por um, cada um por sua vez, com suas cargas de problemas.   É interessante e até mesmo espantoso notarmos que, ás vezes, é Deus sendo colocado no divã do consultório de psicologia, e, dependendo do momento, é o Seu povo que se mostra necessitado de um tratamento psíquico, carecendo de algum remédio para sua cura.

Num psicodrama mais comum, teríamos como exemplo um filho ou uma filha, empregados, parentes, amigos e inimigos que se queixam de algum trauma, sentindo feridas em sua alma, ansiosos por poderem falar e conversar com os protagonistas dos seus desencontros, e dizerem aquilo que nunca puderam dizer, mostrar seu amor ou ódio, de maneira a deixar aflorar os sentimentos que foram por algum tempo sufocados dentro de seus peitos.

O mais impressionante deste psicodrama é vermos que ninguém menos  que o próprio Deus Todo-Poderoso, Onipotente, Onisciente e Onipresente chega a se assentar na cadeira dos clientes que estão sendo tratados!   E Ele se dignou a passar por este psicodrama, sem falar nada diretamente para muitos dos mais complicadamente implicados dentro do Seu problema, apenas segredando algo a Seus profetas, os quais se levantaram para falar em Seu nome, como se fossem Seus advogados contratados para defendê-Lo diante de um Tribunal.

Os profetas disseram então quais as queixas que ferem o coração de Deus.  De um outro lado, vêm os homens, que pecaram e transgrediram a Sua Lei.

O Tribunal, então, um estigma da justiça suprema, decide:  – culpados!   Veredicto final, e bate-se o martelo!   Daí vem a sentença, a morte, com derramamento de sangue, em holocausto.   A alma que pecar, esta morrerá (Ezequiel 18:20).   E cada qual dará contas de si mesmo a Deus.   Diria alguém, pois:  mas este é um problema para os pecadores, e não para Deus!   Se Deus os condena, e fim de conversa, por que então Ele teria necessidade de fazer uma sessão de terapia?   A decisão foi levada por Ele ao Seu conselho, ou melhor, ao Seu Tribunal colegiado.  O que mais fazer-se diante de um fato consumado, senão lamentar-se o ocorrido?

Vamos procurar colocar estes detalhes aos poucos, para não tropeçarmos em algum lugar, ou omitirmos algum dado que seja importante.

Nos Estados Unidos da América existe um dispositivo legal acerca das penas de morte.  É que se alguém for sacrificado em cumprimento de pena capital por algum crime, descobrindo-se mais tarde que a aplicaram em pessoa inocente, não haverá outra morte para cumprimento da lei – o culpado então não mais será executado.   Já basta ter havido a morte de alguém para satisfazer a sede de justiça.   Logicamente que essas execuções que se precipitam sobre as vidas mal julgadas e em que pereceram inocentes, queiram ou não, são compulsoriamente cumpridas.    Não se sabe de nenhum caso em que o condenado se apresentou alegre e voluntariamente para ir ao corredor da morte, principalmente quando sabendo ser inocente das acusações que lhe imputaram, como que aceitando-as como justas.

No caso do psicodrama com a participação divina, diferentemente, há Alguém que se apresenta de livre e espontâneo querer para cumprir e satisfazer toda a Lei.  É Jesus, o Filho de Deus, que para mostrar boa vontade para com os homens, apresenta-Se para nascer, crescer, realizar obras maravilhosas de Deus, e morrer numa cruz, propiciando assim a anistia aos pecadores condenados.

Voltando à época em que o Livro de Levítico foi escrito – Jesus ainda não tinha encarnado neste mundo, e quase 1500 anos antes, era preciso haver um tratamento que pudesse garantir aos pecadores que o sacrifício então ainda por ser oferecido no Calvário lhes seria propício.    É aí que Deus entra com o psicodrama profético de Levítico, na forma de um sistema de sacrifícios de animais ou aves.     Estes últimos teriam de atuar como figuras substitutivas, que morreriam, mas apontando para o futuro, para o sangue real que vieram a verter.   O sangue daqueles animais  representava o sangue do Cordeiro de Deus, Jesus Cristo, Agnus Dei.

O sangue de animais sacrificados brilhava à luz do dia, mas o seu brilho apenas refletia o brilho do sangue de Jesus na cruz, derramado por cerca do ano  29 da Era Cristã.    Os pecadores olhavam para os seus animais mortos, e para o sangue destes sendo derramado – e este sangue, tal como um prisma, recebia a luz que incidia do olhar do pecador, mas de imediato o transferia para a cor do sangue de Jesus.

Imediatamente os anticorpos do sangue de Jesus ( e não os dos animais mortos ) atacavam a causa da agressão contra Deus – os vírus do pecado – de tal forma que os cobriam inteiramente.    Quando os pecados eram seguidos de arrependimento, este tipo de psicodrama funcionava perfeitamente, coroado com o perdão de Deus.

Deus  também olhava para aquele sangue de aves e animais, e imediatamente transferia o Seu olhar par o futuro, para o monte Calvário, local onde Abraão ofereceu a Isaque em holocausto agradável a El Shadday, cerca do ano 2000 A.C.; e dava um salto no tempo, e via o Seu Filho ali, morrendo, derramando o Seu santo sangue, que voluntariamente Se dispôs a deixar ser derramado, pasmem, com o consentimento do próprio Deus!  

É claro que aquilo que apenas representava o sangue e o sacrifício de Cristo, em dado momento, na plenitude dos tempos, teria que deixar de atuar, pois, como toda peça teatral, em dada hora, chegava ao fim.   Foram desautorizados pelo Deus de Israel!   Teriam de ser removidos daquela nação.   Sim, porque o mundo precisaria ver então, não mais a encenação terapêutica de Deus, mas o único sacrifício que demonstra a intolerância divina para com o pecado, e o amor do Pai, que provou o Seu próprio Filho para morrer em lugar de pecadores.

Vejam a dramaticidade desse ato.   Quando um pai deste mundo vê o sangue de seu filho amado, querido, santo, sendo vertido, seja por quaisquer que sejam os meios ou circunstâncias, o seu coração sofre um terrível golpe.   Bate forte!   Estressado!   Ele vê aquela cena, e, ao perder aquele seu filho, fica impressionado quando torna a ver novamente o sangue, até de algum animal.   Depois da morte de seu filho, qualquer sangue lhe irá trazer à mente o trauma, a agressão que aquela perda lhe ocasionou.    Esta foi a função do sangue daqueles animais e aves do passado.

Assim Deus se satisfazia diante de um povo, um sem número de pecadores, sem ter de lhes aplicar a pena capital.   Loucura de Deus ou não, era este o significado de todos os sacrifícios da Lei de Moisés.   Se alguém quiser classificar isto de loucura divina, saiba ainda que a loucura de Deus  é mais sábia do que a sabedoria dos homens  (I Coríntios 1:25).   Foi uma questão de escolha de Deus.   Ele não tem nenhum prazer na morte de pecadores, e nem mesmo de ímpios.   Ele ama ao mundo de uma forma muito profunda; nem podemos dimensioná-la.   De outro lado, o Pai ama muitíssimo a Seu Filho Unigênito, Jesus.   Ele quis então que Jesus Se entregasse daquela forma, a única viável, a fim de salvar o mundo – e Jesus o consentiu.   Foi um dilema resolvido da maneira mais terrível que alguém humanamente o pudesse suportar.

Sim, Deus tem sentimentos, sofre, agoniza muitas vezes, intercede por pecadores com gemidos inexprimíveis (Romanos 8:26), e por isso enviou o Seu Filho a este mundo, para que creiamos, para que os que nEle crerem não sejam sacrificados em uma condenação então despropositada.  

Paulo ainda fala – dos quais, dos tais pecadores, eu sou o principal.    Que concordemos com Paulo, mas colocando-nos nós mesmos, cada um como o principal dos pecadores,  aquele com quem é preciso haver um tratamento em especial, da parte de Deus, para haver cura na nossa alma e no nosso espírito.

Essa transferência da pena capital não é um sonho, uma invenção, e muito menos uma simples brincadeirinha de Deus.    Trata-se de algo real, que Deus mesmo fez, como Sua fórmula de salvação para que não morrêssemos afogados em nossos delitos e pecados.

Não é tampouco uma troca de palavras, mas sim, uma troca de sentenças para os que crerem nEle, e para Jesus foi uma troca de Sua vida pela nossa sentença de morte.

Pode alguém achar muito exagerado ou drástico que tenhamos que morrer por causa de nossos pecados.    Atestamos a estes:  quem é o homem que pode dizer que não enfrentará um dia a sua própria morte?   Pois esta morte da carne é apenas uma sentença parcial, que atinge apenas ao nosso físico.   Existe ainda a morte espiritual, que é aquela que nos aliena da presença de Deus – esta ainda pode ser revertida, se tomarmos as decisões certas no tocante ao caminho da cruz de Cristo, ainda nesta vida terrena.   A pior morte, porém, é a eterna, que não nos deixa nenhuma rota de escape após a morte física.

E por que Deus resolveu que todo pecado tivesse de ser punido com morte?   Não podemos questionar esta Sua decisão.   Ele é o sábio Juiz, e não nós.   Ele sabe o quanto Satanás se desviou do bem, e dos caminhos santos do Senhor, e tudo começou com uma simples rebeldia, uma rejeição da ordem estabelecida por Deus.   Um querubim ungido, de alta patente, que tinha acesso à presença divina, e era versado em louvor a Deus com música… de repente, danou-se a procurar não somente a alienação da Presença Excelsa, mas a aliciar outros anjos, ambicionando a posse do Trono do céu, usando de meios os mais baixos, sujos e inescrupulosos!   Todo mal tem de ser cortado pela raiz, e é melhor arrancar-se ervas daninhas quando estas ainda estão novas, do que deixá-las crescer, estender-se pelo jardim, e matar as plantas desejáveis.

A morte entrou neste mundo por um só homem, e através deste, toda a raça humana se contaminou.   Foi necessário que por um só homem, também, a vida pudesse ser estendida aos demais homens,  mas para que isto pudesse ser feito, foi preciso que houvesse a morte de Um justo.

Jesus é o justo,  Cordeiro de Deus, sacerdote eterno segundo a ordem de Melquisedeque, o Autor da vida, das nossas vidas.

É dEle que Levítico fala, quando se reporta ao sacrifício de animais e aves.  Ele é tudo para nós.   É Ele que nos livra da condenação do pecado, através do Seu sangue imaculado.  Toda glória a Ele, seja dada eternamente!

 

 


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho