APOCALIPSE – VI – REVELATION

0

Febrero 15, 2014 by Bortolato

Jesus voltando

O reino de Deus na Terra

 

SEXTO CENÁRIO:

 

Local: a cena começa no céu, e termina na terra

Período: da volta de Cristo ao final do Milênio

Capítulos 19 e 20

 

 

                        O capítulo 19 de Apocalipse começa com um tremendo jogral de vozes que exulta a Deus porque Ele julgou a grande Meretriz e as grandes cidades do mundo (Ap.16:18-21), como um sinal de que este ato teria que acontecer, antes que o restante da Terra pudesse ser abençoado com a vinda do grande Juiz, em poder e glória.    Sinal evidente também de que a poluição espiritual que esta causava trazia grave nojo às narinas de Deus, e que seria preciso haver uma passagem do centro das atenções, de uma cidade terrivelmente comprometida com Satanás, com o Anticristo, e com o pecado do mundo para uma outra, à qual Jesus amou, e desejou assentar ali o Seu trono.

                        Após o toque da 7a. trombeta pelo anjo de Deus, nos céus já se celebra a vinda do Reino de Deus através de Cristo, nesta Terra. (Apoc. 11:15-18).

 

BODAS DO CORDEIRO:

 

                        Esta é uma festa no céu sobre a qual não se tem muita informação bíblica.   Há apenas algumas ficções, mas sabe-se que seria simbolicamente comparada a uma festa de casamento, onde o Cordeiro, Cristo, é o noivo, e a sua Igreja , a noiva.

                        A noiva será composta de homens e mulheres que terão recebido então os seus corpos imortais, vestes brancas e brilhantes, ao terem recebido a bênção de terem sido ressuscitados da morte, juntamente com aqueles que tiveram sido arrebatados antes da Grande Vinda de Cristo a esta Terra.

 

 

OUTRO CAVALEIRO NUM CAVALO BRANCO:

 

 

                        Este não tem a ver, é distinto do outro cavaleiro descrito em Apocalipse 6, por sua presença totalmente diferente.

                        Ap. 19:11-16 descreve-o como alguém muito especial.    Não há dúvidas de que se trata do Senhor Jesus. Senão vejamos:

  • O Cavaleiro chama-se Fiel e Verdadeiro. Contraste com a Besta, infiel e mentiroso.
  • Julga com justiça, em contraponto com as injustiças do governo da Besta.
  • Seus olhos são chama de fogo – tudo vêem, nada se lhes oculta.
  • Na Sua cabeça, há muitos diademas – autoridade sobre as nações.  Os fiéis discípulos de Jesus receberam também a promessa de pelo menos 3 coroas:  (1). Coroa de justiça (II.Tm.4:8); (2) coroa de glória (I Tess2:19) e (3) a coroa da vida (Apoc. 2:10).  Que guardemos o que temos, para que ninguém roube nossa coroa (Apoc. 3:11).
  • Tem um nome escrito que ninguém conhece, senão ele mesmo. Mistério de Deus (Ap.3:5)
  • Está vestido de um manto tinto de sangue, cf. Isaías 63:1-4.
  • Seu nome chama-se Verbo de Deus, o Logos, que, na teologia joanina, é o Deus que criou céus e terra do nada, sem matéria pré-existente.
  • Os exércitos do céu o seguem, montado em cavalos brancos, vestidos de linho finíssimo, branco e puro.
  • De sua boca sai uma espada afiada para com ela ferir as nações.   O sentido aqui é, certamente, figurado.    O que isto significa é que Ele tem o poder de proferir palavras que podem ferir nações, só com o pronunciá-las.
  • Ele regerá as nações com cetro de ferro (também é uma figura de força, tenacidade, rigidez de leis)
  • Pisa o lagar do vinho do furor da ira do Deus Todo Poderoso.   Isto se refere, com certeza, ao juízo que Ele trará com a Sua vinda.
  • Tem no seu manto e na sua coxa um nome inscrito: REI DOS REIS E SENHOR DOS SENHORES.

Nota:

 

Após o 7o. flagelo derramado pela última taça da ira de Deus, haverá, ainda, muita revolta da parte do povo que receberá o impacto desta (Ap.16:18-21).    Será um grande terremoto, seguido de chuva de enormes pedras, pesando um talento (60 ou 30 Kg.), um acontecimento que provocará blasfêmias contra Deus.   Isto quer dizer que, mesmo após tantas demonstrações de poder de enviar juízos sobre a Terra, ainda haverá um restante de rebeldes aqui vivendo.   Mais do que isto,  os três demônios que têm forma de rãs enganarão os povos, e estes estarão na Terra de Israel para tentar exterminar os judeus (Ap. 16:13-14).    Neste momento, anjos irão tocar um alto som de trombetas do céu, e os exércitos do Verbo de Deus virão com Ele, e Ele pisará o monte das Oliveiras.     A revolta dos exércitos aliados do Anticristo não quererá retroceder, e nem dar glórias a Deus, apesar da tremenda manifestação que do céu virá, e nem mesmo reconhecerão a supremacia da força de Cristo, que então não virá mais como sofredor.

O povo judeu o verá, e reconhecerá Quem é que se manifestará assim tão gloriosamente, e perceberão o grande erro que cometeram, quando O rejeitaram.    Numa hora tão dramática, de tanta necessidade de socorro, e em sinal de reconhecimento aceitá-lo-ão, aceitarão o Seu poder, o seu governo, e a Sua ajuda, que prontamente os livrará.   Daí se desenrolará a Batalha do Armagedom, que derramará sangue em abundância, dos exércitos do Anticristo.

                                                                      

                        Como resultado desta incursão de exércitos de anjos e do Senhor sobre a Terra, tanto a Besta como o Falso Profeta serão aprisionados.   Serão lançados vivos no lago de fogo e enxofre, e os demais restantes foram mortos com a espada que saía da boca daquele que estava montado sobre o cavalo branco (Ap. 19:21), e a grande ceia para a qual foram convidadas as aves do céu – águias, condores, abutres e urubus – deu-se na íntegra.    Não haverá condições de se enterrar tanta gente, de repente, e estas aves cumprirão o papel de “lixeiros” de Deus, fazendo a esperada “operação limpeza do ambiente”.

 

 

O MILÊNIO:

 

                        Se houve uma tremenda operação limpeza da parte das aves do céu, no que tange à Terra, haverá também uma operação da parte direta de Deus, que lançará a besta e o falso profeta VIVOS, dentro do lago de fogo ardente e enxofre.

                        Um anjo vindo do céu com uma grande corrente em suas mãos vem e prende o dragão, Satanás, dentro do poço do abismo, e ali este ficará por mil anos. 

                        Durante esse tempo, a terra ficará livre do tentador e grande acusador de nossas almas, e porisso as nações poderão, então, ser tratadas com rigor, a fim de aprenderem a se submeter àquele que é o Rei da Glória, o Rei dos reis e o Senhor dos Senhores, sem se sentirem inclinados a se rebelarem, a resistirem, ou a sequer boicotarem o reinado de Cristo, pois que não haverá o enganador para tanto.

                        O governo de Cristo será um governo perfeito, sem uma falha, justo, bom e aprazível àqueles que O desejarem.    Isto não significa que a Terra toda já terá alcançado a perfeição.    Ainda não terá sido erradicado por completo o pecado.

                        Para início de reinado, o mais terrível terremoto da história, seguido de uma saraiva das mais fatais,  terá deixado um saldo de mortos e de sangue derramado tal que serão necessários 7 meses para serem sepultados os mortos da batalha de Armagedom (Ezequiel 39:12).   

Depois, logicamente haverá um período de reconstrução.   A humanidade terá sido reduzida severamente em seu número de habitantes da Terra, devido às catástrofes ocorridas umas após outras, de modo que os que tiverem sobrado vivos poderão tratar de recomeçar a formação de uma raça, desta vez mais abençoada, com mais longevidade, e agora com uma paz e prosperidade verdadeiramente dadas pelo céu.          Haverá ainda judeus e gentios que sobreviveram à Grande Tribulação.

 

 

AS RESSURREIÇÕES:

 

 

A morte, porém, ainda não terá sido vencida.    A morte ainda reinará até o final desse milênio.

Apoc. 20:4-6 nos mostra que aqueles que foram decapitados por causa do testemunho de Jesus e por amor à palavra de Deus, os quais não adoraram a Besta e nem foram marcados por ela nas testas ou nas mãos, estes reviverão, por causa da Primeira Ressurreição, e ainda participarão do Reinado de Cristo, durante esses mil anos, e serão muito abençoados – sobre estes, sim, a morte não mais terá poder.

 

“Bem aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição.   Sobre eles não terá poder a segunda morte, pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e reinarão com Ele por mil anos” (20:6).

Após esses mil anos, supõe-se que voltarão para o seu lar que é a Nova Jerusalém.

A composição de moradores da Terra, certamente que será de uma grande maioria de pessoas do sexo feminino, pois que a população masculina foi lançada em campo de batalha, por ocasião dos males das guerras que então chegaram a acontecer.

                       

                        Mateus 25:31-46 nos mostra também que, quando Cristo tiver-se assentado sobre o seu Trono, começará também uma peneirada sobre as nações que sobraram vivas na Terra.    As nações que honraram a Deus através de suas obras, serão abençoadas, mas as que foram tiranas, parciais, sofrerão duro juízo.  Será um julgamento segundo as obras, e as nações que forem aprovadas, serão participantes do Reinado de Cristo.   As que forem condenadas, sofrerão a condenação do fogo eterno, juntamente com o diabo e seus anjos (Mt.25:41).  Certamente que serão respeitados os casos de exceção.

 

 

                        Crêem alguns que não haverá ressurreição pela 2a. vinda de Cristo a este mundo, mas cremos que é necessário mencionar-se, in contrarius consensus, a ressurreição daqueles que foram mortos decapitados, e que reinarão com Cristo durante o milênio.    O próprio texto de Ap. 20:4-5 nos indica que estes heróis da Grade Tribulação estarão sobre a Terra para cooperar com o estabelecimento do Reino de Cristo.   Também outros mártires, não necessariamente os que foram degolados, mas que morreram durante a G.Tribulação, já estariam diante do Trono de Deus, vivos, louvando ao Senhor (Ap. 7: 14-17).

                        Há uma bem-aventurança profetizada para os que fizerem parte da 1a. Ressurreição – sobre estes não terá poder a 2a. morte. (Ap. 21: 3  Ora, só podemos crer que os mártires que deram suas vidas por amor a Cristo e à Sua causa também ressuscitarão na 1a. Ressurreição, juntamente com todos os santos de Deus que pagaram o seu preço pelo amor ao evangelho, muito embora não tenham sido explicitamente mencionados, porque não vemos diferença entre os que foram decapitados e os que morreram de outra maneira, tais como os mutilados, os fuzilados, os devorados por feras nas arenas do Anticristo, os esfaqueados, os enforcados, enfim, todos os que sofreram morte pela causa de Jesus durante a Grande Tribulação.

Por este motivo, temos que a 1a. Ressurreição se dará em pelo menos duas fases: pelo arrebatamento da Igreja, e depois, no final da Grande Tribulação, pouco antes da 2a. Vinda. 

Temos, também que considerar que durante o milênio alguns servos de Deus também morrerão, e certamente não serão condenados quando forem ressuscitados da morte, mas reviverão somente após o final do milênio.

                        O livro de Apocalipse não fala explicitamente em 2a. Ressurreição, mas diz que “o restante dos mortos”  ressuscitarão quando terminar o milênio.

                        No fim do milênio, há menção de um julgamento do Trono Branco, o qual, ao que tudo indica, dará o destino aos que não forem inscritos no Livro da Vida.   Ao que se pode notar, seria por esta ocasião, também, a ressurreição dos salvos que morreram durante o milênio.    

Isto também não significa que, enquanto no estado de espera pela sua ressurreição, estes teriam que ser depositados em uma espécie de “geladeira de mortos”, porque os  recursos de Deus são infinitos (cf. a parábola do rico e do lázaro, estes estavam plenamente lúcidos e acordados, Lucas 16).    Convém notar que a soberania e a sabedoria de Deus certamente darão um lugar de harmonia, honra, gozo e prazer a estes também, os que descansaram em Cristo.                                            

Muito embora o reinado de Cristo terá sido perfeito, isto não impedirá que haja ainda pecadores sobre a Terra.   Na verdade, o milênio ainda cumprirá mais um propósito para o qual foi feito: o de dar chance aos rebeldes que ainda não se terão convertido ao Senhorio de Jesus, a fim de que se arrependam.    Muitos estarão servindo-O somente porque não sentirão que haja outra opção, mas não terão seus corações colocados nas mãos do Salvador.   Sentir-se-ão obrigados a servi-lo, mas não o farão com alegria.   Parece que a temporária liberdade que Satanás receberá, um certo tipo de “surcees”, servirá para que as pessoas que não terão seus corações inclinados perante Jesus sejam então tentados, e se posicionem para a batalha final, a de Gogue e Magogue.

 

 

GOGUE E MAGOGUE:

 

Satanás, após os 1.000 anos, sairá a enganar outra vez, a muitos sobre a Terra, para se disporem em luta contra o Senhor, e marcharão contra o Lugar Santo, mas com a espada de sua boca, o Cordeiro os destruirá.   Fogo do céu cairá sobre estes, e serão devorados.   No final desta batalha, o diabo será novamente preso, e daí então, lançado no lago do fogo e enxofre, onde será atormentado dia e noite, para todo o sempre (20:10).

Esta batalha não será o que se diz por aí ser o “fim do mundo”.   Haverá, ainda, tempo em que:

  1. Israel será salvo pelo Senhor com salvação eterna; não serão envergonhados e nem confundidos por toda a eternidade (Is.45:17).
  2. A casa de Davi, seu reino e seu trono serão estabelecidos para sempre (II Sm.7:13,16).
  3. Os santos receberão o reino, e o possuirão para sempre, de eternidade a eternidade (Dan. 7:18 e 4:3).
  4. Jesus será chamado Filho do Altíssimo, e Deus, o Senhor, lhe dará o trono de Davi, seu pai, e ele reinará para sempre sobre a casa de Jacó, e o seu reinado não terá fim. (Lucas 1:32, 33).

     

OS LIVROS DE DEUS:

 

João então é arrebatado da terra para o céu com tanto ímpeto, que esta lhe pareceu desaparecer, e, em seu lugar, novamente ele se vê diante do Trono do Senhor, e desta vez é um Grande Trono Branco.

Dois tipos de Livros se abrem:  primeiro, são abertos “os livros”.    Nestes estão registradas as pessoas que viveram aqui, mas não foram salvas por fé, devido a diversas circunstâncias:  os que nunca ouviram falar de Cristo, os que não puderam segui-Lo ou servi-Lo por não poderem ter sido alcançados pela palavra do Senhor.   Estes serão julgados segundo as suas obras.

Depois, é aberto o Livro da Vida.   Cremos que todos os recém-nascidos tiveram seus nomes inscritos ali.      Depois, com o tempo, a pessoa vai assumindo sua posição com relação à Obra de Jesus, e conscientemente ou não, toma sua decisão.   Quem teve seu nome inscrito neste livro, será convidado para a grande Ceia das Bodas do Cordeiro.    Quem, porém, não foi nele encontrado, foi lançado no lago que arde de fogo e enxofre (esta é a 2a. morte).   

Haverá, também, julgamento de cada um, por causa das obras, para os que tiverem seus nomes inscritos no Livro da Vida.   Os que rejeitaram a Cristo durante suas vidas, não sofrerão julgamento das obras, mas sim, da sua fé, pois que “quem crer e for batizado será salvo, e quem não crer, está condenado” (Marcos 16:16b).

 

 

Observação: de todos os que comparecerem perante o Grande Trono Branco, haverá os condenados ao Lago de Fogo, e os absolvidos deste.    Aqueles que tiverem sido considerados absolvidos desse julgamento(aqueles cujas obras forem consideradas boas, gentios, mesmo vivendo a Era da Lei, antes de Cristo, por exemplo), não sabemos qual seria o seu paradeiro; contudo, há que se considerar que estes não receberam a promessa de se tornarem cidadãos do Reino de Deus na Terra, e porisso, em tese, não poderão entrar na Cidade Santa.

 

 

 Apoc. 20:14 nos revela que haverá segunda morte para alguns – para os que estiverem no Inferno, e no local da Morte. 

Apoc.   20:6  nos revela que é bem-aventurado e santo aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre estes não tem poder a segunda morte.   Logo, se isto é dito dos que morreram decapitados pelo testemunho de Jesus, conclui-se que outros haverá que, embora não incluídos neste rol de salvos, também receberão o poder de vencer, de sobrepujar a 2a. morte.  

  

NOTA:

Quem serão os alcançados pela Bênção da 1a. Ressurreição (sobre os quais não terá poder a 2a. morte)?  Seriam somente os que foram ressurgidos da morte por ocasião do Arrebatamento?   Se atentarmos bem para algumas passagens bíblicas, veremos que não.   São eles:

  • Primeiramente, os decapitados pelo testemunho de Jesus, da Grande Tribulação, os quais reinarão com Cristo os 1000 anos do seu reinado.
  • E não somente estes, mas também as Duas Testemunhas (Ap.11:11), cuja história está narrada em Apoc. 11.
  •  Ainda a Bíblia fala de uma grande multidão dos que vieram da Grande Tribulação, que estarão perante o Trono de Deus, louvando-O, dando-Lhe glória, força e poder para todo o sempre.(Apoc. 7: 9, 14-17).
  • Notem os 144.000 judeus da Grande Tribulação.   A profecia bíblica nos mostra estes como servos de Deus vivos, selados por Deus (Ap. 7:4) que pregarão o Evangelho do Reino.   A palavra escrita nos diz que estes serão eternos companheiros do Cordeiro.   Onde quer que vá o Cordeiro, estes lá estarão também (Ap. 14:4).   Ora, o poder de ir e vir de Cristo não se restringe a esta Terra apenas.  Ele será o Rei de toda a Terra, mas pelo Seu caráter divino, poderá estar ora no Céu, ora na Terra – e quem sabe, ora na Lua ou no Sol, ou em algum outro lugar do Universo?   Daí, se os 144.000 o acompanharão por todo o lugar, então, estes terão de ter já corpos transformados,  que sobem aos céus e descem à Terra – e portanto, estes não deverão mais sofrer a 2a. morte.
  • Os crentes vivos que serão tomados por ocasião do Arrebatamento (I Tess. 4:17)
  • Os crentes que morreram até o momento do Arrebatamento ( I Tess.4:16).

 

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                             Mais uma vez vemos que a 1a. Ressurreição deverá compor outras classes de servos de Deus, mesmo depois do arrebatamento, pois que não se lançarão joio e trigo, crentes e incrédulos dentro de uma mesma vala, no lago de fogo e enxofre.   Além dos contemplados pelo arrebatamento da Igreja, aqueles que foram salvos durante a tribulação, e não aceitaram e nem receberam a marca da Besta, mas pagaram o preço de sangue, certamente serão ressuscitados antes da 2a. Ressurreição.   A conclusão a que chegamos, pois, é de que haverá pelo menos duas fases para a 1a. Ressurreição: 

 

1a. Fase:  o Arrebatamento da Igreja e a ressurreição de todos os santos que morreram em Cristo até este grande evento.

 

2a. Fase:  a Ressurreição dos que morreram em Cristo durante a Grande Tribulação, mas que serão levantados da morte antes da 2a. vinda do Senhor para instaurar o Seu Reino.  Juntamente com estes, sofrerão uma transformação gloriosa aqueles que deram fiel testemunho de Cristo, durante o período da última semana de Daniel, e sobreviveram às perseguições da Besta, e aos flagelos deste mundo.

 

 


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho