NÚMEROS – VII – VALORIZE O QUE DEUS LHE OFERECE!

0

abril 27, 2014 by Bortolato

Codornizes no Deserto

Como estamos aquilatando as coisas que Deus, na Sua providência, muitas vezes até milagrosamente, nos dá com muito carinho e amor?

Pedimos algo a Ele, e esperamos que  Sua resposta nos traga alguma novidade.   Entregamos nas Suas mãos nossas vidas, que tencionamos compartilhar com Ele, numa relação de confiança mútua. Precisamos entender que aquilo que Ele faz, pois mesmo que não o possamos assimilar muito  bem, Ele o faz da melhor maneira que poderíamos recebê-lo.

Nem tudo é o que parece ser; o que julgamos ser o pior pode ser o melhor a longo prazo; e o que julgamos ser o melhor, poderá ter um final amargo.   Como já foi dito por alguém, nem tudo o que reluz é ouro, e nem tudo o que balança, cai.

O povo de Israel estava recebendo diariamente o milagre do maná, alimento substancioso o suficiente para sustentá-los e renovar forças, de maneira adequada para um clima desértico ou semiárido.    Tinha gosto de mel, portanto, não era, de modo algum, uma refeição difícil de ser ingerida.    Se o maná tivesse sido recebido, aliado a um sentimento de terna gratidão a Deus por tão grande carinho por um tão grande povo, o seu gosto teria sido muito mais doce, e de fácil digestão – mas isto não foi assim em todo o tempo, no acampamento de Israel.

De repente, faltou-lhes gratidão no coração.   Queriam carne, no lugar do maná.   Sabiam que Deus lhes estava provendo aquela espécie de pão diariamente, mas não valorizando esta bênção de provisão no meio de um deserto, começou a murmurar.    Pareciam crianças que sentem desejo por alguma guloseima, e faziam pirraça.   Choraram diante de Moisés, como se este lhes fora o responsável por aquilo tudo.    Queriam que Deus lhes satisfizesse o apetite, oferecendo-lhes um cardápio mais variado, conforme os seus paladares.   Queriam que Deus lhes proporcionasse aquilo que um restaurante faz, oferecendo-lhes um cardápio sortido, com mais opções a seu gosto.   Deus, porém, não é para ser feito de garçon…

O Senhor fez soprar um vento que carregou um grande bando de codornizes desde o mar , que presumimos seja o mar do golfo de Acaba.

É anualmente presenciado que grandes grupos de codornizes migrem da África, passando por aquelas paragens.

Moisés até indagou como poderia chegar carne para tanta gente.    Aquele bando migratório era possivelmente maior do que o de costume.   Um vento, contudo, as fez desviarem-se da sua rota, de forma a se forçarem demais e cansarem e, em vez de voarem alto, estavam voando a cerca de menos de um metro do chão, e ali chegaram exaustas, já sem mais forças para continuar voando.  Apanhá-las até que foi fácil.   Os que as colheram, trouxeram para suas tendas o bastante para comerem carne por um ano.  Tudo pareceu até algo natural, mas o vento que as derrubara, não foi senão soprado por ordem do Senhor.

Então os israelitas as mataram, salgaram-nas, e as estenderam sob o sol ao redor do arraial (11:32)   Eram tantas, que todos tiveram muito trabalho para tratar da carne, a fim de conservá-la.

Quando, porém, estavam comendo aquela carne, houve uma praga muito grande, uma epidemia fulminante, que matou a muitos.

Tiveram de enterrar em Quibrote Ataavá (hebr: = sepulcro das concupiscências) os mortos, e partiram dali para a sua terceira parada depois do Sinai – para Hazerote.

Números, capítulo 12 – Bendigamos aos líderes que Deus nos dá

Alguns dos maiores inimigos do homem se levantam de dentro de sua própria casa.   Irmãos, primos, tios, cunhados, até os amigos são o tipo de pessoas que têm facilidade para criticar, principalmente quando se trata de dirigir suas críticas aos mais novos da família.   Quando, porém, alguém sente o chamado de Deus e o atende, passa a ser usado pelo poder do Alto; daí é preciso que familiares, amigos e conhecidos tenham cuidado para que a mesma facilidade não venha a destruir aquilo que o Senhor estaria fazendo.

Alguém disse: “Que Deus me livre dos amigos…”

Ter inimigos que usam de palavras, mexericos que envenenam a alma de todo um povo é um fato comum, um problema quase fatal para toda liderança enfrentar.   Todos os líderes terão um dia que se defrontar com pessoas  que se erguem para se posicionarem contra uma liderança espiritual estabelecida.   O mais terrível, mais paradoxal, e menos compreensível é quando estes inimigos são os da própria família do líder.   São pessoas amadas pelo líder, e a quem normalmente se dedica boa dose de carinho, e a quem se deseja honrar, e ver-lhes sempre prosperando nos caminhos do Senhor.

Aarão e Miriam foram desses, que, cremos, por falta de discernimento e sabedoria, deixaram-se mover por um espírito contrário, e ergueram-se contra Moisés, o servo do Senhor.

O fato é que Moisés havia recebido de Deus uma posição mui singular, excelentemente privilegiada no campo espiritual, e foi um intermediador entre o Senhor e Seu povo.   Um grande líder espiritual, especialmente talhado durante anos por Deus para exercer aquele papel perante todos, hebreus, midianitas e egípcios, naquele momento e naquelas circunstâncias extremas.

É bem verdade, por outro lado, que até os grandes líderes podem, sim, cometer erros.   Dizem as Escrituras em Números 12:1 que Moisés se casara com uma mulher cusita, isto é, natural de Cuxe, lugar que, ao que tudo indica, ocupava o espaço da Etiópia de hoje, país ao sul da primeira catarata do rio Nilo.   Assim o indicam a tradução Vulgata e a Septuaginta, do Velho Testamento.

A Bíblia pouco fala sobre esta mulher cusita.  O que teria acontecido, para Moisés ter-se casado com ela?   Subentende-se que Zípora, sua primeira mulher , filha de Jetro, ou teria morrido (o que é mais provável), ou teria abandonado a Moisés.  E as lendas judaicas dizem que Moisés, antes de fugir do Egito para Midiã, já conhecia a cusita, desde uma campanha militar egípcia feita contra a Etiópia; e desde então aquela mulher, cujo nome era Tarbis, filha do rei da Etiópia, já se apaixonara pelo líder hebreu, vindo a concretizar seu sonho, casando-se com Moisés, anos após.

Lendas à parte, o que vemos neste episódio é que Miriam, que era profetisa, aliou-se a Aarão, e, aproveitando-se do enlace matrimonial de Moisés com uma etíope, usando de um separatismo racial e bairrista, levantaram esta acusação contra o servo de Deus, que era seu próprio irmão na carne.

Talvez Moisés tivesse errado ao casar-se com uma estrangeira, que provavelmente pouco conhecimento teria das Alianças de Deus com os patriarcas, e pouca experiência com o Senhor, pois não era da linhagem de Abraão, Isaque e Jacó.   Isso, porém, não era motivo para alegarem que Moisés havia perdido seu ofício profético, nem seu vínculo espiritual com Deus, e aquela intimidade tão maravilhosamente única com o Altíssimo.

Com esta polêmica levantada, ficou evidente sua causa: – inveja do servo do Senhor.  Tanto foi assim, que o Senhor precisou chamar aos três: Moisés, Aarão e Miriam, para falar-lhes em particular, e deixar-lhes bem claro que o tipo de dom profético que repousava sobre Moisés era algo diferente dos demais dons proféticos:   Deus lhe falava, não por sonhos e nem por visões, mas abertamente, em som audível, como que cara a cara, bem próximos um do outro.   Isso não era algo de somenos.    Moisés chegou a ser tido como semelhante a Jesus, em Deuteronômio 18:18, pela própria boca do Senhor.   Recebeu uma excelente glória, de tal maneira que o seu rosto brilhava ao ponto de ofuscar as vistas dos seus patrícios.   Os demais profetas não tinham essa intimidade toda com Deus.  Era o mais talhado para ser um mediador, e intercessor do povo perante o Todo Poderoso.

Aarão, na verdade, como muitos outros, repetia as palavras que Deus colocava na boca de Moisés.  Em Êxodo 4:14-16  o Senhor deu a Aarão o encargo de transmitir ao povo as Suas palavras colocadas na boca de Moisés.   Em outras palavras, Moisés faria a vez do Senhor, e Aarão faria a vez de um profeta de Moisés.   Talvez isso tivesse instigado a cobiça de Aarão e de Miriam por um status equivalente ao de Moisés, presumindo que este servo do Altíssimo estivesse agindo de forma egoísta, querendo monopolizar a profunda comunhão que tinha com Deus.

Infelizmente, vemos muitas disputas por status sociais, cargos oficiais e posições dentro dos ministérios que Deus empresta a Seus servos.   Parece que muitos cobiçam aquilo que outros, alguns poucos, puderam receber de Deus – mas nem por um segundo desejariam passar por aquilo que os ungidos especiais passaram, até chegar onde chegaram.   Isso é mau, pois que repercute em desavenças totalmente desnecessárias e inconvenientes, e em um verdadeiro atraso no desenvolver da obra de Deus nesta Terra.

Outro aspecto é a inveja sobre dons espirituais.   Ah, a inveja!  Por causa desta, muitas reações negativas, murmurações, falando mal de quem deveria ser respeitado, pois que, este ou aquele recebeu alguma coisa vinda de Deus diretamente.   Por causa disso, muitos são caluniados, desrespeitados, desacatados, perseguidos, e se não for a intervenção direta do céu, podem até ser derrubados de suas posições, lançados ao menosprezo, como que numa “aposentadoria compulsória”.  João Batista, no caso, perdeu o própria cabeça.

Não aconteceu assim com Moisés, porque o próprio Deus o reconheceu perante seu opositores.

Jamais se deve esquecer de que Deus é Quem dá os Seus dons aos Seus servos.  Somos apenas vasos receptáculos das porções de dons que Ele, o Senhor nos queira confiar.   Sejamos, sim, depositários fiéis, prontos a entregar a Ele, de volta, um dia, o dom que nos confiou uma vez no passado, como o talento que foi negociado com diligência e habilidade, e se multiplicara satisfatoriaimente.

Feliz é o povo que sabe valorizar os seus líderes, e infelizes são os que ousam erguer-se para os destruir.   Miriam, logo após haver Deus falado a respeito do incidente, após a nuvem se afastar da Tenda, restou leprosa.   Aarão, vendo-a naquele estado, imediatamente reconheceu haver errado, confessou-o e intercedeu por sua irmã.   Moisés, por sua vez, pede a Deus por sua cura, a qual só veio depois de sete dias – e enquanto isso, ela teve de retirar-se do arraial para não contaminar ao povo, espiritual e materialmente.

Entendemos que a lepra não se apegou à carne de Aarão neste ato, porque era ele quem, como sacerdote, usava do Urim e Tumin, “as luzes e a revelação”, para que o  povo pudesse consultar a vontade do Senhor para suas vidas.   Se ele tivesse que ficar fora do arraial por sete dias que fosse, o povo ficaria sem este líder espiritual para ser conduzido nos caminhos de Deus.

Um versículo, dentro deste capítulo, revela o caráter humilde de Moisés (verso 12:3).   Ele não era arrogante, de modo algum.   Não estava naquela posição central entre Deus e o povo por imposição sua.   Não estava ali por pretensão pessoal, nem por querer ser melhor do que quem quer que fosse.   Ele não era um déspota, um ditador, e muito menos dado a desmandos próprios de um tirano.   Este versículo revela que alguém, que não Moisés, o teria escrito, pois o “homem mais manso(humilde) do que todos os que haviam sobre a terra”  não teria descido do seu caráter de humildade para tecer esse comentário.

Também o livro de Números, quando se refere a Moisés, o faz na terceira pessoa do singular – isto, no entanto, não desmerece a autoridade espiritual desta Escritura, uma vez que as palavras de Deus ditas a Moisés só podem ter sido tornadas públicas por ele mesmo.   Logicamente um terceiro teria executado a função de pena do escritor, assim como Baruque foi um escrivão que produziu a arte final dos escritos do profeta Jeremias (Jer.45:1), bem como o Apóstolo Paulo também fazia uso de pessoas que por ele escrevessem (Romanos 16:22;  I Coríntios 16:21).  Como bem se vê, a autoridade escriturística não se vê aqui abalada, pois que a autoria primeira, original das palavras, veio de Moisés, que apenas retransmitiu a vontade de Deus.   Graças a Deus, este escrito do Livro de Números foi divulgado, e tem chegado às nossas mãos como parte integrante de Bíblia, como Palavra de Deus dirigida a todos quantos queiram ser fiéis a Ele, e por essa Palavra somos edificados na fé, na esperança e no amor.  Louvamos a Deus por isto!


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho