NÚMEROS – XXII – RENASCE A ESPERANÇA NO DESERTO

0

junio 22, 2014 by Bortolato

No Deserto

A esperança reverdece, cresce, avoluma-se e se agiganta, quando os piores quadros estão à nossa frente, querendo nos dizer que não há mais chances.  Há esperança, ainda onde outrora tinha havido uma catástrofe, porque o Senhor é Deus, e Ele a faz brotar em meio às cinzas da desesperança.

Números, capítulo 26  nos narra  a recontagem dos filhos de Israel.   É interessante notar que o número de varões da idade de um mês para cima foi muito semelhante à contagem que se deu no início do Êxodo.

601.730 israelitas (Núm.  26:51) foi a conta dessa vez, contra os 603.550 de Números 2:32.   Moisés e Eleazar não puderam contar a nenhum dos 603.550 neste segundo censo.

Muito embora eles fossem muito férteis, e se tivessem multiplicado bastante durante aqueles quarenta anos, parece que o índice de seus números não avançara, muito pelo contrário, chegando até a sofrer um retrocesso.

O que aconteceu?  Muitos morreram no deserto.   É de se ressaltar que não morreram de fome ou de sede, porque o Senhor lhes deu o maná para comerem, codornizes também, e água que brotara das rochas; e água de Mara, que foram sanadas  para que estas se tornassem doces.

Muitos morreram porque foram alcançados por pestes, por fogo, por incêndio no arraial; outros foram engolidos vivos pela terra que se abriu para enterrá-los, servindo-lhes de sepultura; e outros foram mortos por causa de picadas de serpentes.

Logicamente que muitos outros morreram de causa natural, casos estes que não foram narrados nas Escrituras por simples falta de relevância ser o fato de dispensar-lhes maiores atenções.

Essas mortes todas somaram cifras que alcançaram a soma de todos os 603.550 homens de Israel, e por certo que mais alguns poucos da nova geração também se adicionaram a essa conta.   Este fato ocorreu desta forma para cumprir a palavra que Deus disse em Cades Barnéia, afirmando que nenhum daqueles homens herdariam a Terra Prometida, pois difamaram-na, naquela infeliz demonstração de falta de fé, de confiança do Senhor que até ali os trouxe pela Sua mão forte e poderosa, e também falta de um pouco de coragem.   Ao que podemos ver, a covardia não é atitude que proceda de Deus, e aquele povo que saiu do Egito mostrou estar apegado ao medo de ser traído ou abandonado pelo seu grande Resgatador.   Não tiveram a ousadia de crerem e agirem sobre aquilo que o Senhor lhes ordenara para fazerem.

O deserto, pois, foi-lhes um terreno aberto que lhes ofereceu as covas de suas sepulturas, pois nada mais restou, e nem restará para quem não acredita no Deus de milagres.   Eles tinham lá seu sonho de alcançar a Terra da Promessa, mas não o lograram.   Isso nos mostra que não bastam boas intenções, nem entusiasmo passageiro;  o segredo da vitória está na obediência, a qual é alicerçada sobre a fé.   Mas não basta apenas a fé – esta deve ser acompanhada dos atos que dela advêm.

A vida, contudo, continuou através dos filhos dos israelitas mortos.   Os pais morreram, mas os filhos gerados destes, continuaram vivos, e não se entregaram ao derrotismo de seus progenitores.   Foram educados religiosamente por Moisés, Aarão, pela Lei do Senhor e pela forte presença divina entre eles todos.

Não é apenas imaginação, vermos os filhos dos israelitas perceberem todo o alvoroço havido em meio às suas famílias, ao verem o desespero de seus pais quando a oportunidade era para se elevar os olhos para cima, para aquela nuvem de glória erguendo-se sobre o Tabernáculo, em meio a um deserto onde raramente se observam nuvens.   Viram também aquela coluna de fogo que se erguia durante as noites – era um espetáculo á parte, para seus olhos.   Viram também a cura milagrosa dos que pecaram, foram mordidos por serpentes, e eram salvos por tão simplesmente olharem para a serpente de bronze.   Viram também a presença de um anjo que os guiou pelo caminho, durante aquela peregrinação – perguntavam a seus pais quem era aquele ser, cujas vestes eram mais brilhantes do que as dos demais israelenses.   Ouviram da revelação dos mandamentos de Deus, que foi esculpida sobre tábuas de pedra; também souberam que a vara de Aarão foi a única que floresceu, mesmo não estando plantada, de um dia para o outro.   Souberam também das suas próprias falhas morais,e apesar disso, da fidelidade de Deus, que sempre lhes oferecia nova chance de seguirem-No, e dos confrontos que tiveram  Moisés, Aarão, o Senhor e o povo todo.

Tudo isso foi forte o suficiente para que a nova geração pudesse compreender que o privilégio de serem participantes do Reino de Deus na Terra era muito melhor do que qualquer outra bênção da qual pudessem aproveitar.

Apesar de verem seus pais morrerem ali, em meio àquele processo de aprendizado tão rigoroso, e exigente como nunca antes o tinham visto, as crianças e os jovens israelitas não se revoltaram, mas antes, puderam aproveitar toda aquela experiência negativa, dramática e drástica, para desenvolverem uma qualidade que seus pais não nutriram em seus corações: o temor do Senhor, com fé e amor a tudo quanto Lhe diz respeito.   Eles souberam diagnosticar a causa do fracasso de seus pais, reprovaram-na, e tomaram aquilo como exemplo a não ser seguido.   Nada mais inteligente.   Quando crianças veem seus pais naufragarem em sua vida, em seus negócios, em sua fé, suas crenças, logo veem que aquilo foi um erro – que devia ser evitado.

Restara-lhes, porém, uma outra direção – a orientação que o Senhor lhes estava oferecendo através da Sua Lei, de Seu profeta, e de Seus sacerdotes.    É muito notório que eles não precisavam de um rei, porque Jeová era o Seu Rei, a todo instante atento às necessidades de Seu povo.   Foi assim que se formara a nova geração, aqueles 601.730 israelenses.

Essa nova geração foi muito bem representada pelos filhos de Coré.   Em Números, capítulo 16, vimos a história da rebelião de Coré.   Este era um levita, homem de dura cerviz, que peitou a Moisés e a Aarão, e indiretamente também ao Senhor, revelando uma irredutibilidade pétrea em suas ideias e posicionamento, não deixando sequer uma brecha para o diálogo – com ele não tinha conversa.   Quando um homem se mantém assim firme, desafiando a tudo e a todos com suas imposições, convém que esteja posicionado ao lado do Senhor, mas infelizmente para Coré, não era este o lado da questão em que se firmara.   Pelo contrário, sua inflexibilidade levantou uma bandeira que, se prosperasse, poderia por em risco a unidade do povo junto a Deus, e é de se observar que esta posição é do agrado de Satanás, pois este é o seu trabalho:  colocar dúvidas, e separar o homem do seu Criador.   Veja-se bem: o Rei de Israel não era apenas um homem – era o próprio Senhor Javé.   Dissidências contra Ele e contra as Suas ordens, são atos que O menosprezam e que O depreciam.

Ao chegar naquele ponto, não havia mais remédio:  era dar-se uma última oportunidade para o tal rebelde dissidente, juntamente com os seus asseclas, para voltarem atrás, ou…

Coré foi engolido pela terra que se abriu, e sepultou a ele, aos de sua família que com ele comungavam de suas ideias, e aos que se lhe uniram, posicionando-se junto à entrada de sua tenda.

Uma declaração do autor do livro de Números, porém, nos mostra que uma semente boa restou daquela família.  Vejamos o que diz Números 26:11:

“Mas os filhos de Coré não morreram”

Isto significa que pelo menos alguns de seus filhos não se aliaram a ele, em sua rebelião, e que, por isso, ao menos estes continuaram vivos.

Contrariando à murmuração de Cades Barnéia, os filhos de Israel cujos pais se conformaram em proferir maldições sobre os mesmos (Números 14:1-3, e verso 31), dizendo que a terra de Canaã os mataria se tentassem, naquela ocasião, entrar em combate contra os gigantes que havia na localidade, foram exatamente os filhos destes que lograram o êxito de alcançar às promessas de Deus no tocante à conquista daquelas terras.

Anos mais tarde, na época do reinado de Davi, sabe-se que os filhos de Coré se tornaram excelentes cantores e compositores, participando de um conjunto coral que lustrava os cultos a Javé, junto ao Tabernáculo, e  mais adiante, também no Templo de Jerusalém.  Alguns dos Salmos foram escritos por esses coraítas (compuseram os Salmos de nºs 42, 46 a 49, 87 e 88).

Pelo que vemos, o Senhor é especialista em tomar as nulidades, os que a sociedade reputa como perdidos, pesados ou inúteis, amolda-os, transforma-os e faz destes, homens e mulheres de respeito, que até chegam à notoriedade pública, para louvor da glória dEle, e satisfação dos que Ele abençoa dessa maneira.

Se notarmos a vida de Ana, mulher de Elcana, de José do Egito, de Jefté, de Amós, de José e Maria, dos pescadores de Cafarnaum, e muitos outros, veremos o quanto Ele exalta aos humildes e humilhados, levantando-os do pó.

Assim como flores desabrocham de cactos do deserto, assim a segunda geração de israelitas despontou lá, onde ninguém jamais ousaria pensar que o poderiam, depois de sofrerem a perda de seus pais.   Eles se levantaram, erguidos pela mão paterna do Pai do céu.

Os filhos de Coré, pois, representam bem um divisor de águas.   Maldições não vingam sem causa, e no caso, eles se sobressaíram por não aderirem ao pecado de Coré.

Um certo ditado corria entre os judeus da época de Ezequiel, que dizia que:

“Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram” (Ezeq. 18:2)

O Senhor mesmo tratou de contraditar esse dito popular, como bem se pode notar ao lermos Ezequiel 18:2.4

O Senhor mesmo contrariou esse dito popular, como bem se pode notar, ao lermos Ezequiel 18, mormente o verso 20, que diz:

“A alma que pecar, essa morrerá;   o filho não levará a maldade do pai; nem o pai levará a maldade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a impiedade do ímpio cairá sobre ele”.

O melhor de toda essa história é que, embora possamos ser até descendentes resultantes de alguns traços de vida pecaminosa de nossos antepassados, hoje temos a nossa oportunidade!

Oportunidade de vivermos, obtermos condições necessárias para agradar a Deus, e virarmos qualquer página de maldições hereditárias ou não.   Jesus  veio para desfazer as obras do diabo, e as maldições fazem parte desse fardo terrível.

Justificados, pois, mediante a fé, temos paz com Deus por meio de nosso Senhor Jesus Cristo, por intermédio de quem obtivemos acesso, pela fé, a esta graça na qual estamos firmes; e gloriamo-nos na esperança da glória de Deus.”  (Romanos 5: 1-2)


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho