JOSUÉ – XIII – OS CONTÍNUOS DESAFIOS DA VIDA

0

junio 3, 2015 by Bortolato

Josué mostra a Terra

Josué mostra a Terra

Josué em seu capítulo 13º lança uma nota inicial desafiante, pois o homem de Deus era então já idoso.   Não se menciona a sua idade, mas crê-se que estivesse perto de seus cem anos.

O próprio Deus teve de dizer isto a ele, significando que, apesar de toda sua diligência em guerrear, guerras do Senhor, a tarefa não terminara ainda.  Havia muito mais a ser feito.

Quando Moisés se foi para Deus, deixou toda aquela terra a ser conquistada como tarefa para a geração futura, a qual passaria à tutela de Josué, seu fiel companheiro, para desempenhá-la sob a direção e a bênção de Yaweh.   Agora, então, era chegada a hora de Josué “passar o bastão” para a geração que o sucederia.

Geração após geração, os desafios não cessam, mas sucedem-se uns após outros.  Isto é  muito bom, porque homens de Deus nunca devem sentir-se sem alvos na vida.   Ninguém é chamado para um “Dolce far niente”, a não ser que esteja de férias, pois do contrário, o nada a fazer torna-se em um tormento.   As celas solitárias que o digam.   Na prática, no entanto, o que se dá é que muitos não sabem distinguir férias de tempos de trabalho.

Os rubenitas, os gaditas e parte dos manassitas já se haviam apossado das terras limítrofes a leste do rio Jordão.   Apesar de não terem abandonado a luta de seus irmãos a oeste do rio, chegou um dado momento em que estes receberam autorização para voltarem, fincarem pé firme em suas cidades e desfrutarem da posse de suas terras.

Então, cada tribo deveria incumbir-se de possuir TODA a extensão do território que lhe foi dada.

Na lista das cidades que Josué, em seu capítulo 15º lemos, alguns nomes que não constaram do rol de termos conquistados pelos hebreus:  as cidades da Faixa de Gaza (Ecrom, Asdode e Gaza, por exemplo), que pertenceram por longo tempo aos filisteus;  os jebuseus que se instalaram em uma parte isolada pelos muros de Jerusalém, também não tinham sido de lá desalojados  e ali permaneceram até a época de Davi.

As cidades localizadas no extremo norte de Canaã ficaram ainda um tanto de tempo indefinidas quanto ao quinhão e aos limites que cada tribo deveria possuir, apesar de já haverem sido vencidos os reis de maior significância local, os quais poderiam representar maior resistência à ocupação israelita.   Foi preciso que Josué lhes levasse uma palavra de estímulo para que se dessem conta de sua tarefa e lhes servisse de empurrão inicial para partirem (Josué 18:1-10).

Quanto à tribo de Judá, e as duas tribos e meia que se estabeleceram do lado oriental do rio Jordão, estas teriam um longo desafio, devido à proximidade de nações concorrentes: a Filístia ao ocidente, na planície costeira, acossando aos judeus; e Moabe e Amon ao oriente incomodando, volta e meia, aos israelitas que lhe eram mais próximos, sem se contar com os edomitas, midianitas e os amalequitas, ao sul das fronteiras da Terra Prometida.

Quanto às tribos de Zebulom, Naftali, Aser e Dã, estas teriam outros inimigos a lhes perturbar a paz.  Ao norte, a Síria, que mais tarde trouxe muitas dores à alma dos hebreus.

A vida de Israel passaria, então, a ser um constante lutar para manter sua possessão em paz, e afastar aos seus inimigos – isto seria desse modo para deixá-los mais dependentes do Supremo Criador e Doador da terra, e não alimentarem a sensação de que as conquistas do hoje lhes seriam eternas, apesar de seus fracassos espirituais.   Assim também deve ser a nossa vida que vivemos nesta Era.   Israel, “aquele que luta com Deus” fica, pois, como uma figura, e a marca dos filhos de Deus que necessitam estar sempre atentos quanto aos ataques dos inimigos espirituais, e resguardando sempre uma herança eterna no céu, incorruptível, incontaminável, e que não se pode murchar (I Pedro 1:4), mantendo constantemente incólume a sua marca de conquistadores.

Em Josué capítulo 15º, vemos a sorte que caiu à tribo de Judá, possuir a região entre o Mar Mediterrâneo e o Mar Morto, ao sul de Canaã.

O mais impressionante deste capítulo é o fenômeno chamado Calebe.   Era um dos doze espias que em Números, capítulo 13, foram espionar a terra de Canaã, mas que, contrário à maioria, permaneceu firme na fé, juntamente com o próprio Josué, argumentando pela obediência à voz de Deus, não temendo aos gigantes da terra.   Na época tinha Calebe 45 anos.  Pela distribuição das terras, conforme Josué, capítulos 14 e 15, ele já contava seus 85 anos, mas sentia-se com o mesmo vigor e disposição que tinha aos 45.

E mais: com a mesma fé!   Sua fé em Yaweh não esmoreceu, nos 40 anos de  deserto.  Estava com a mesma fibra, com a mesma meta, e com a mesma ambição.   A promessa de Deus continuava firme, acesa, ardendo em seu coração.   Ele queria conquistar a sua própria terra!   Seu grande incentivo era a palavra do Senhor, que lhe prometera.   Nada podia impedi-lo!    Nenhum inimigo seria forte o bastante para detê-lo.   Yaweh era com ele, pois então, o que temer?   Era a hora da conquista!   A bênção da terra estava ali, à beira de seus pés, que, diga-se de passagem, pareciam sentir cócegas e um forte ímpeto para ir ao encontro de sua posse!

Com ousadia dada por Deus, demonstrando um exemplo de fidelidade e um padrão a ser seguido, depois de tantos anos, com a mesma fé, ele pediu:

“Agora, pois, dá-me este monte, do qual o Senhor falou naquele dia, pois naquele dia ouviste que lá estavam os anaquins (da raça dos gigantes), e grandes e fortes cidades; o Senhor porventura será comigo para os desapossar, como prometeu”.  (Josué 14:12)

“Aquele monte” tinha sobre si uma fortaleza que opunha altas muralhas ao redor da cidade aos possíveis invasores.   A cidade era chamada de “Quiriate Arba” (em hebraico, literalmente, “cidade de quatro”, ou seja, “tetrápolis”).   De acordo com Josué 14:15, era a cidade dos anaqueus, visto que Arba era o maior homem entre estes gigantes.   Ficava rodeada de vales e de montanhas.  Sua altitude é de 972 metros acima do nível do Mar Mediterrâneo, a cidade de maior altitude da Palestina.

Cidade habitada por gigantes,  Calebe teve que expulsar dali a três filhos de Anaque:   Sesai, Aimã e Talmai.   Ele não olhou para a altura dos muros, e nem dos seus oponentes, mas para a promessa de Deus, que o impelia à luta pela conquista.   Ao tomar a cidade, deu-lhe o nome de Hebrom, que significa Confederação, porque na época em que os hebreus entraram em Canaã, Hohão, o antigo rei daquela localidade, se tinha juntado na coligação anti-gibeonita que foi liderada por Adoni-Zedeque, rei de Jerusalém.    Naquela ocasião,  os cinco  reis revoltosos foram mortos por Josué (Josué 10:1-27), deixando a cidade para ser conquistada mais adiante, tarefa que trouxe a Calebe a lembrança das promessas divinas, e açulou-lhe o desejo  de realizá-las.

Calebe guerreou ainda contra Quiriate Sefer, “cidade do oráculo”, um santuário idólatra que Josué conquistou, reocupada por amorreus, mas novamente ocupada pelo clã de Calebe – este a deu a seu sobrinho, que depois se tornou seu genro, Otniel, o qual tomou a cidade, a qual passou a ser chamada de Debir.

Que nos diria Calebe nos dias de hoje?   Que nunca é tarde para se sonhar, lutar e conquistar.   Nunca é tarde para que Deus cumpra os Seus desígnios e as Sua promessas.  Podem estas parecer-nos tardar em ser cumpridas.   Podem demorar até 40 anos, mas não falham.   Lutar concorrendo para sua realização não é proibido, aliás, sem lutas não se alcançam vitórias.

Em Josué, capítulos 16 e 17 lemos sobre a herança que caiu por sorte aos filhos de José, Manassés e Efraim.

No versículo primeiro do capítulo 17 está registrado que Maquir, o primogênito de Manassés, foi quem gerou a Gileade, e este, por ser homem de guerra, através dos clãs de seus descendentes, desapossou aos amorreus que ali habitavam na Transjordânia.   Gileade foi, pois, posteriormente, atribuída a Maquir.

Os demais filhos de Manassés receberam cada qual o seu quinhão, inclusive as cinco filhas de Zelofeade, totalizando dez partes de terra, sem se contar com a terra de Gileade.   Sua parte na terra de Canaã propriamente dita se estendeu pelo vale de Megido, ao norte, e a cidade de Siquem ao sul, tendo o rio Jordão como limite oriental e o grande Mar ao ocidente.

Efraim recebeu a região montanhosa entre Betel, ao sul, e Siquém, como limite norte, tendo ao seu lado oeste o território de Dã, e o rio Jordão ao seu leste.

Tanto os manassitas como os efraimitas não lograram expulsar os cananeus de suas respectivas regiões, muito embora forçassem a estes últimos mais tarde, a fazerem serviços de escravos.   Queixavam-se estas duas tribos de terem de enfrentar carros de ferro, usados para guerrear, e sob esta desculpa, aceitaram conviver com um povo reprovado por Deus junto a si.   Esta decisão fez parte de todo o contexto da corrupção e da queda de Israel, que se deixou seduzir, através do tempo, levados à idolatria, que tanto ofendeu ao coração de Yaweh, e tantos males causou aos seus descendentes.

Por este motivo, os efraimitas quiseram argumentar com Josué que necessitariam de mais terras, por serem um povo numeroso, e as terras dos montes e bosques não lhes seriam suficientes, uma vez que os cananeus estavam morando nos vales.    Josué, porém, os contra-argumentou, dizendo que,  uma vez que eram um povo forte e numeroso, teriam poder de expulsar aos cananeus dos vales, e ainda cortarem os bosques para lá morarem.

Vemos aqui dois indícios de desobediência ao Senhor:   não estavam expulsando os cananeus que moravam próximos, junto às regiões montanhosas, traspassando as ordens expressas que receberam de Yaweh.   Por outro lado, demonstrando displicência e comodismo, ainda reclamaram que a sua possessão lhes era pequena, insuficiente para sua população, como que querendo mais, para se esforçarem quanto o menos possível.   Se isto fosse atendido, certamente que iria restringir os domínios das tribos vizinhas, e fomentaria a murmuração destas.

Este episódio nos ensina que não devemos fomentar a preguiça.   A ambição de alguns, muitas vezes, não é alcançada porque não trabalharam com diligência, a fim de conseguir alcançar o seu alvo.   Ensina-nos também que, cada vez que se desobedece a alguma direção que Deus nos dá, teremos que arcar com dificuldades à frente de nossos caminhos.   Melhor é obedecermos e lutarmos para sairmos vitoriosos do que tentar remediar consequências funestas que advêm da desobediência.

Esperar pelas promessas é, também decorrência da fé, mas lutar com fé no coração é a mostra mais fiel e evidente de que essa fé é viva e operante.

Não devemos ser remissos ou dar-nos por escusados, quando há um caminho e uma porta aberta à nossa frente.   A ordem do Senhor é marchar.  Sim, marchar, mas agora nos termos da Nova Aliança.   Não com fuzis ou canhões, com armas nucleares ou químicas, mas:

“Ide por todo o mundo, fazei discípulos e pregai o evangelho a toda criatura.   Quem crer e for batizado, será salvo, mas quem não crer será condenado.”  (Marcos 16:15,16)

“Portanto ide por todo o mundo, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-lhes a obedecer a todas as coisas que vos ordenei; e eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.  (Mateus 28:19-20)

Nunca nos esqueçamos destas palavras.   Lembremos sempre.  O que é importante, deve ser tratado como importante;  e o mais importante, tratado como o mais importante.


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho