I SAMUEL – IX – LAVANDO A ROUPA SUJA

0

noviembre 28, 2015 by Bortolato

Saul rei

Para se esclarecer situações mal compreendidas, nada como colocar-se o pingos nos ii.   Nada como fazer-se acareações e mostrarmos transparência.   Que a verdade, acima de tudo, seja o juiz de todos, e a medida de todas as coisas.

Ninguém tem prazer em ser alvo de insinuações, mexericos, mentiras, conspurcação do nome, maus julgamentos, traições e deslealdades, a menos que seja iminentemente louco.

O profeta Samuel, em I Samuel 12, logo após o Senhor ter dado grande libertação da ameaça amonita e de seu rei Naás que vinha do leste, convocou todo o povo para vir a Gilgal, a fim de reafirmarem o estabelecimento do reinado de Saul em Israel.

Samuel fala a todos que enfim o povo já estava sob liderança de seu rei recém empossado da coroa, ali, diante da população toda.

Para que isto pudesse acontecer, houvera uma transição, uma passagem do bastão da liderança das mãos de Samuel para as de Saul.

Até então Samuel, embora já na sua terceira idade, ainda mantivera a responsabilidade de transmitir ao povo as palavras de Deus, dando-lhes direção em momentos críticos.

O povo, porém, ao sentir quaisquer ameaças, já não mais se contentava em esperar pela manifestação de Yaweh, muito embora o Senhor tivesse feito tremendas obras diante de seus olhos, e lhes dedicado muitos esforços para tê-los junto a Si, operando grandes livramentos.

Parecia que o povo não mais estava se sentindo seguro debaixo da mão do Senhor.   Eles achavam que ficariam melhor se tivessem um rei humano, e assim, o seu pedido de um rei denotou que não depositavam sua confiança no Deus que habitava em suas terras.

O Senhor, através do ministério de Samuel, lhes trouxera maravilhoso livramento contra os filisteus, de modo a fazer estes inimigos se retraírem durante décadas a fio.   Isto seria motivo suficiente para que se confiasse piamente na parceria Yaweh-Samuel até o fim – mas não, eles estavam impacientes, e não o quiseram desse modo.   Eles queriam um rei humano.

Esta escolha advinha de uma rejeição.   Rejeitaram o modo de Deus agir, usando o argumento de que os filhos de Samuel eram gananciosos, e que aceitavam subornos para perverterem a justiça.

Muito embora Samuel tenha autorizado seus filhos a exercerem alguma liderança sobre Israel, e estes tenham sido inconvenientes por vezes, o fato é que a idade avançada do profeta não significava que seu ministério tivesse acabado.   Em outras palavras, o povo estava querendo interromper o ministério de Samuel, e transferir-lhe a liderança para um rei, e que este último viesse a ser ungido em uma reunião solene.

Estariam então formalizando um ato de dupla ingratidão: contra o Senhor Yaweh, e contra Seu profeta e juiz, Samuel.   Contra Deus, gratuitamente, sem motivo algum.   Contra Samuel, sob a desculpa de que havia corrupção em sua família.

Samuel, o velho profeta, ressentiu-se muito da proposta de coroação de um outro rei que não Yaweh, e sentiu que precisaria esclarecer alguns pontos antes de entregar a responsabilidade de liderança geral sobre o povo para Saul.

Samuel mesmo tomou a iniciativa de reuni-los em Gilgal, lugar que, por sinal, trazia muitas lembranças da época da conquista da terra por meio de Josué.   Foi ali onde o exército de Israel se estabeleceu pela primeira vez, dentro de Canaã.   Foi ali também que a geração que cresceu durante os quarenta anos de peregrinação pelo deserto submeteu-se ao rito da circuncisão, sinal de extirpação da impureza da carne, símbolo da purificação espiritual tão necessária para demonstrar-se que o povo estaria disposto a andar limpo diante de Quem os batizara simbolicamente, pouco antes, nas águas do rio Jordão, cerca de 400 anos antes. Foi ali também que eles se acamparam para dali partirem para conquistar aquela terra.   Gilgal, pois, tinha um significado especial de soerguimento de Israel como nação herdeira da Terra de Canaã.

Havia, no entanto, um grito primal entalado na garganta do profeta. Ele havia concordado em passar a coroa de Deus para a cabeça de Saul, mas só porque o próprio Senhor lhe dissera para fazer conforme o povo lhe pedira.   Havia um erro básico que eivava aquele ato.   Deus consentira com aquilo, mas esta não era a Sua plena vontade – entende-se que Ele aderiu àquele movimento, mas a contragosto.

Então chegou a hora em que o velho profeta sentiu que era preciso colocar as coisas em pratos limpos.   Era hora de lavar a roupa suja, e fazer brilhantes as vestes limpas.

Samuel começa seu discurso num desabafo.   Ele desafia o povo a falar o que é que ele teria feito de errado, para ter sido rejeitado e desprezado, como se sua velhice fosse sinal de inutilidade, e as falhas de seus filhos fossem também as falhas do próprio profeta.

Ele pede a todos parra darem testemunho veraz sobre sua integridade moral – que se apresentassem aqueles que quisessem testificar, mas que o fizessem sabendo que estavam na presença do Deus Vivo, o Deus Verdadeiro, o Deus da verdade.

Ele cita algumas possíveis queixas ou possíveis julgamentos indevidos que fizeram de sua pessoa:-

  1. Se de alguém ele tomara algum bem ilicitamente
  2. Se a alguém mostrara ser desonesto
  3. Se a alguém chegara a oprimir
  4. Se chegara a aceitar propinas para cometer injustiças em favor de uns , em prejuízo de outros
  5. Se em alguma dessas coisas Samuel errou, que se manifestassem os acusadores, e ele estaria pronto a reparar qualquer mal.

Um segundo ponto: dispôs-se o ancião-juiz a ser jubilado do cargo da liderança do povo: o Deus de Israel, que estava ali também, o Senhor, Ele é quem é o Supremo Juiz, e na verdade, o digníssimo Rei a quem o povo estava menosprezando em favor de Saul.

Foi Ele, o grandioso EU SOU quem enviou dez pragas pra tirar os israelitas do Egito e os conduziu até fazê-los herdar a Terra Prometida, e os colocou de posse da mesma.

Foi também Ele, o Deus de Jacó, quem suportou as quedas do povo na idolatria, que resultaram no rompimento da comunhão com o Santo, e com o Autor da vida, o que terminou com desastres sociais para prejuízo de muitas vidas.   Ele, o Senhor, foi quem também ouviu os seus clamores que brotavam do fundo de seus corações, pedindo por socorro, e lhes enviou a Gideão, Baraque, Jefté, Sansão e muitos outros.   Ele sempre os ouviu quando se arrependeram de seus pecados, e deles se apiedava e compadecia, sempre os socorrendo nas suas aflições e angústias.

Ele, Yaweh, agora estava sendo relegado a um segundo plano.   Israel queria um outro rei! E dado por Ele mesmo, pelo seu Deus!   Isto foi lamentável!   Foi mau!   Foi comparável ao ato de uma esposa pedir ao próprio marido que aponte um outro homem para substituí-lo!   Foi como um tapa com luvas de pelica na face de Deus!   Como Ele é misericordioso, suportou como um forte a afronta, e concedeu-lhes um rei.

Na oportunidade daquela reunião solene, porém, Samuel fez questão de que tudo se esclarecesse, e fossem colocados os pingos nos ii.

Para testificar do Seu desagrado, o profeta Samuel diz ao povo que haveria, naquele mesmo dia, uma chuva com trovoadas sobre suas plantações de trigo.

Ora, sabe-se que o trigo é um cereal produzido por uma planta que necessita de chuvas durante o seu crescimento, mas quando já está crescido, e suas espigas maduras, as chuvas que as molha servem para estragar esse fruto, e esta era a condição que estava ocorrendo: aquela chuva com trovões, relâmpagos e raios, estava prejudicando aquela colheita.   Isto aconteceu logo depois que Samuel orara a Deus pedindo tal manifestação de poder, desprendido em desagravo pela desfeita recebida.

Os trovões resultantes dos raios intimidaram a multidão, assustando-os, abalando-os no seu ânimo, e a chuva, trazendo prejuízos à suas colheitas, convenceu-os de que realmente pecaram contra o Senhor e contra Samuel.   O clima ficou tenso, ao ponto de chegarem a ter medo. Medo de Deus e de Seu profeta.   Só aliviaram aquela tensão depois que pediram misericórdia.

Samuel então lhes diz para não temerem, mas contanto que nem eles e nem o seu rei se desviassem da Lei do Senhor, e ele mesmo não pecaria, deixando de ser-lhes um intercessor, orando sempre a Deus, rogando-lhes o Seu favor.

Samuel termina o seu sermão, advertindo a todos que, se insistissem em fazer o mal, o povo seria destruído, juntamente com o seu rei – advertência que ouviram, mas não memorizaram, pois no final do reinado de Saul Israel teve de suportar uma derrota frente aos reis filisteus.

Rejeitar a Deus como o nosso Rei é algo que suscita más consequências.   No final dos tempos, Jesus, o Cristo será coroado em glória como o Rei dos reis, e Senhor dos senhores; portanto, devemos nos acostumar com a ideia de que Deus tem de ser, e será eternamente o nosso Rei.   Um outro pecado, que, pela sua gravidade, ainda supera a este é rejeitar a ação que Jesus nos disponibiliza através do Espírito Santo, e este Consolador trabalha no sentido de nos revelar ao Filho de Deus como nosso Senhor e Salvador.

A lição que fica mais profunda é estarmos prontos e não deixarmos de esperar até recebermos todas as promessas de Deus, e vivermos com Jesus em nossas vidas.   Se assim fizermos, teremos Sua bênção eterna, para sempre.


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho