II SAMUEL – XVI – ANDANDO PELO VALE

0

agosto 22, 2016 by Bortolato

Leito seco de rio

“Ainda que eu ande pelo vale das sombras da morte, não temerei mal algum, porque Tu estás comigo; tua vara e o teu cajado me tranquilizam”

“Preparas uma mesa perante mim, na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo,e o meu cálice transborda” (Salmo 23:4,5)

Estas foram palavras de um homem cuja cabeça andou a prêmio por muitos dias em sua vida, que não tinha esperanças de ser vitorioso contra homens muito fortes, muito mais fortes do que ele mesmo, mas recebendo as forças que Deus lhe dera, enfrentava corajoso cada perseguição e cada batalha.   O fato que vamos comentar sobre sua vida aconteceu realmente  por cerca do ano 1023 A.C., em Israel.

O que devemos fazer quando nossos corações estão cheios de amor por algum familiar, e é este aquele que nos ataca, procurando nos destruir?   Isto não é difícil de acontecer.

Em II Samuel, capítulo 16 poderemos ler e nos inteirar sobre este assunto.

Após quatro anos de um longo trabalho, procurando desenvolver um esquema ardiloso que denegria o governo de seu próprio pai, com vistas a convencer ao povo de que ele, Absalão, seria a melhor opção para reger o seu país, isto por fim chegou a um auge em que o coração do povo de Israel perdeu aquela confiança que depositava em Davi, o seu rei.

Cremos que alguém, por certo, foi negligente ao notar o agir de Absalão durante aqueles quatro anos.   Uns não queriam desgostar o coração de Davi, outros temiam levantar um mexerico contra o filho do rei, e talvez uns poucos vieram dizer ao rei o que estava ocorrendo, mas não se deu importância para o fato.   Pareceu-lhes apenas um arroubo do gênio inquieto de Absalão, e nada mais; porém…

Ao fim daquele período, o quadro da preferência do povo estava mudado.   E o maior interessado nisso sentiu ser aquela a hora de levantar-se para guerrear e tomar posse da coroa do seu próprio pai.

Sob a desculpa de estar comprometido a cumprir um voto que fizera na época em que estava fugitivo em terras estrangeiras, Absalão foi-se a Hebrom, onde já havia planejado expor em público toda a sua sagaz ambição.

A chegada daquela comitiva pomposa, vinda de Jerusalém, chefiada pelo filho do rei Davi, despertou o interesse de todo o povo de Hebrom.   Não era todos os dias que se via uma visita tão importante, aparecendo daquela forma na cidade.    Os líderes dali logo se apressaram para irem ter com aqueles que lhes pareceram ser emissários do rei, e o povo todo se aglomerou curioso, em volta deles.

Ele havia combinado de antemão com os líderes de todo o Israel, a fim de que viessem até o evento, e quando fossem tocadas trombetas, que fosse anunciado que Absalão “passou a ser” o novo rei de Israel.   Era o anúncio bombástico do irromper de uma verdadeira guerra civil, de um filho contra o seu pai.

Uns duzentos homens convidados tinham vindo com ele desde Jerusalém, os quais não estavam sabendo do que estava por acontecer.  Estes tinham vindo apenas para assistirem ao sacrifício previsto no voto de Absalão.   Estes ficaram surpresos, e boquiabertos.   Estonteados pela nova, mal tiveram tempo para pensar em como reagir da melhor maneira àquilo.   De qualquer maneira, estes foram usados para colaborar com a imagem de um aparato real de apoio a Absalão – como se o príncipe já se tivesse tornado em rei.

Foi como o atear fogo em um estopim.    Absalão ficou observando, com seu olhar belicoso, a reação que aquilo viria a provocar.

Um grande alvoroço começou a tomar conta do povo.   Aquilo pareceu chocar e contrariar a alguns poucos, que ficaram confundidos ao verem algo tão estapafúrdio acontecendo, mas a maioria, que havia sido cevada com as palavras tão “doces” de Absalão junto à porta de Jerusalém durante aqueles quatro anos de semeadura, dispôs-se a segui-lo.   Os líderes de todo o Israel que ali vieram para prestigiar a Absalão, no entanto, já estavam esperando o barril explodir.

Com o toque das trombetas, o povo que estava prevenido do fato,  foi assim inflamando aos demais, que começaram a gritar vivas ao novo rei.

Houve um borburinho de vozes de pessoas que falavam umas às outras, discutindo o porquê daquilo, e aquela maioria revoltosa foi convencendo aos outros de que aquilo que presenciavam já não era sem tempo.

Absalão, então, ofereceu sacrifícios a Deus!   Que ironia!  Ofertou sacrifícios a Yaweh, mas demagogicamente.  Inúteis diante do Senhor, pois que ele estava transgredindo ao mandamento da Lei de Yaweh que lhe ordenara a honrar pai e mãe. (Êxodo 20:12)  Mais tarde, Salomão escreveu Provérbios 15:8, a propósito.

Enquanto isso, o partido de apoio a Absalão foi crescendo e tomando força com incrível rapidez.   Logo, um exército todo já estaria ali se ajuntando, disposto a prestar-lhe lealdade.

Dentre os homens que vieram de Jerusalém, estava Amasa, um primo de Absalão,  o qual certamente já havia sido convencido há tempo pelos argumentos a favor da revolução e posicionou-se ao seu lado, e foi eleito o comandante das tropas que se formavam para logo marcharem rumo a Jerusalém – para o que desse e viesse.

Durante aquele reboliço de gente, entretanto, enquanto a conspiração procurava organizar suas ações e marcharem em direção a Jerusalém em busca da tomada do poder político, alguns cidadãos que ficaram cientes de tudo, trataram de enviar um mensageiro a Davi, com vistas a avisar ao rei acerca daquele levante.

Estava definitivamente armada uma guerra civil em Israel.

A revolta, porém, não fora armada de repente, como num click, e num piscar de olhos.  Moralmente, Absalão a havia montado, inoculando vagarosamente, aos poucos, suas mentiras na mente do povo, induzindo-os a pensar de forma distorcida, julgando mal ao seu rei.

Que poder tem a língua!  É uma verdadeira arma de guerra, que pode ser usada para destruição, ou um instrumento edificante, conforme a maneira com que é usada (Tiago 3:1-12).  Que aprendamos a usá-la de forma a sempre construir e abençoar, mas nunca para destruir ou amaldiçoar.

Certo é que um espírito ambicioso e cobiçoso de glórias para si, usará a língua como ferramenta apropriada para destruir a todos quantos se interpuserem em seu caminho.  E foi o que Absalão fez.   Em Hebrom, começou a colher os frutos do seu exaustivo trabalho, que executara dentro dos seus cálculos, até suscitar aquela revolta entre o povo de Israel.

Davi, ao ser avisado, foi tomado de espanto.   Se Absalão não titubeara para matar ao próprio irmão, cerca de seis anos antes, não lhe seria nada difícil também matar ao próprio pai e eliminar a todos os que fossem fieis a Davi.   Os irmãos de Absalão logicamente também estavam em iminente perigo.

O coração de Absalão não se importava com os corações de seu pai, e nem de seus irmãos, que choraram com a morte de Amnon, e agora choravam, quebrantados por serem alvos da espada de um ente querido, sangue de seu sangue.

Interessante é notar que foi assim que Absalão tentou apoderar-se do trono de uma nação cujo grande Rei era o Senhor Yaweh, o Deus que detesta as obras de homens de Belial, que têm sede de sangue inocente (Provérbios 6:12-15; 12:2,6).   Cremos, pois, que Salomão escreveu alguns de seus provérbios, lembrando-se das astúcias e perversidades de alguns de seus próprios irmãos, tais como Amnon, Absalão, e Adonias.

Triste é esta situação.  Amar a quem nos persegue, e tendo que lutar para salvarmos tudo o que temos, até a nossa própria vida, obrigando-nos a nos armarmos contra quem quereríamos ter plácida e pacificamente ao nosso lado.   Este foi o dilema do rei Davi, mas também o é o de muitos pais e irmãos…

. . . . . . . . . . . .

A guarda pessoal e um exército estava com o rei em Jerusalém, de modo que a cidade poderia servir-lhe de fortaleza de resistência, mas havia sérios riscos de que essa estratégia de defesa não funcionasse.   Davi não sabia se outros tantos não estariam contra ele ali, dentro da cidade, e até mesmo dentro da corte.   Ele poderia ser traído pelos seus próximos, se as pressões aumentassem.  A cidade também poderia ser destruída, se ele lá ficasse.

Davi sentiu que precisaria sair de Jerusalém muito rapidamente, com toda a sua família, servos fieis, amigos e cooperadores, juntamente com a sua guarda e seu exército. Logo, pressurosamente, todos eles foram colher suas armas, suas roupas, e alguns poucos mantimentos que tivessem à mão, para fazerem uma viagem sem rumo, para salvarem suas vidas.

Lá se foi novamente Davi fugindo, como o fazia quando perseguido por Saul.   Os seus seiscentos homens que vieram de Gate com ele também o seguiram.

Dentre os que o seguiam, estava Itaí, o geteu, um recém-chegado filisteu que aderira ao seu exército.  Davi o contesta, dizendo que não tinha obrigação de fazer aquele sacrifício, mas Itaí jurando-lhe fidelidade, foi com toda a sua família e os seus homens a acompanhar o rei.

Tendo saído da cidade, alcançaram o ribeiro de Cedrom, tomando o caminho para o deserto.   Os sacerdotes Zadoque e Abiatar tomaram a Arca do Concerto, e vinham também dispostos a seguir a Davi, mas este lhes ordena para voltarem, a fim de que seus filhos pudessem servir de informantes acerca dos planos de Absalão.

Davi necessitaria de espiões e informantes seus, que pudessem ser infiltrados entre os homens de Absalão.   Os sacerdotes não eram guerreiros, e os seus passos carregando a Arca da Aliança viriam apenas a tornar a locomoção da fuga de Jerusalém algo de extrema lentidão.   Tornar aquela marcha tão lenta seria perigoso, naquela hora.   O contexto dos acontecimentos estava a exigir extrema rapidez de ações.

Após breve diálogo com os sacerdotes e o arquita Husai, estes voltaram para a cidade, com seus corações repletos de expectativas incertas.  Husai era um homem sábio, e também um dos conselheiros de Davi, e bem poderia ser o homem-chave com quem seria precioso contar, um homem capaz de fazer o papel de espião sem ser notado, se fosse aceito dentro da composição da futura corte de Absalão.

Aitofel, dantes um dos conselheiros de Davi que agora se havia posicionado ao lado de Absalão, era uma arma estratégica de grande força junto ao filho rebelde, e ele saberia muito bem como colocar a vida e as tropas do legítimo rei em grave perigo, tal era sua experiência e habilidade, familiaridade com táticas de guerra – e conhecia como ninguém a Davi e aos que o acompanhavam naquela fuga.

Davi, por outro lado, também conhecia muito bem o sangue frio, a capacidade e a sagacidade de  Aitofel, e orou a Deus para que aquele homem perdesse seu prestígio, sua imponência e sua autoconfiança diante de Absalão.   Era certo que Aitofel saberia como liquidar o caso dentro de um curto espaço de tempo, se fossem acolhidos os seus conselhos…  esse homem representava um iminente perigo para seus inimigos, e Davi se tornara um desses.

Davi então passou pelo vale de Cedrom e alcançou o monte das Oliveiras, um lugar de oração.    Jesus também gostava de usar aquele lugar para orar ao Pai.   Ali, daquela feita, não houve tempo para a oferta de sacrifícios a Deus, mas não deixou passar a oportunidade para ir falar com o Senhor seu Deus, com o seu coração quebrantado.  Nada melhor a fazer, nas horas de aflição.  A um coração quebrantado e contrito, Ele não desprezará (Salmo 51:17).

Ziba, um ex-servo de Saul, feito servo de Mefibosete, o filho remanescente de Jônatas, vai ao encontro de Davi e ambos se encontram logo após o monte das Oliveiras.  Tendo carregado dois jumentos com suprimentos que seriam consumidos pelos soldados e por Davi, no caminho para o deserto, pôde abençoar a fuga do rei em perigo – e lá vinha o deserto, outra vez, em sua vida!

Pelo caminho, um benjamita de nome Simei mostrou ser partidário da causa de Saul, ao ver que Davi vinha chorando pelo caminho, com a cabeça coberta e a pés descalços, e assim, de cabeças cobertas estavam os que o acompanhavam, em sinal de tristeza e lamentação (Jeremias 14:3).    Mais do que isso, em sinal de corações quebrantados.   Isto porque o filho do rei, o amado de seu coração, rebelou-se e buscava a morte de quem muito o amava.

Ao notar que o rei com toda sua corte, e sua família, andava como que de luto, de corações partidos, fugindo da cidade  sede do seu governo, Simei  logo concluiu o que estava acontecendo.   As notícias correm rápido.  Ele certamente também foi cientificado da traição de Absalão, e tomou partido contra Davi, gratuitamente.   Começou a amaldiçoar a Davi, a atirar-lhe pedras e torrões de terra, acusando-o de haver traído a Saul e usurpado o seu trono.

Abisai, um dos fieis primos do rei que ali estava, procurava defender-se e a Davi das pedras.  Empunhando um escudo em uma das mãos foi rechaçando aquelas pedras e torrões, mas, indignado, logo se propôs a ir até o maldizente para cortar-lhe a cabeça com um só golpe de espada.   O coração do rei, entretanto, não estava disposto a julgar aquele homem que o afrontava, pois que a  sua própria vida estava correndo sério perigo – pois um filho seu, amado, que tinha um lugar especial dentro de seu coração, ambicionava matá-lo.   Agora, para piorar as coisas, um desequilibrado e insensato que tomou as dores de Saul, lhe lançava pedras – mas isso não era o que mais abatia o seu coração ferido.   Davi queria chorar por causa de Absalão, e Simei lhe parecia apenas um pequeno cão que lhe ladrava.   Matá-lo?   Não, isso não aliviaria o peso que oprimia a sua alma.   Davi tinha outros problemas mais importantes do que perder tempo e julgar uma causa propriamente sua, algo de somenos que surgiu no seu caminho de fuga.    Não! Foi a resposta dada a Abisai.  Davi o impediu.   Que Simei o amaldiçoasse o quanto quisesse, isso não faria muita diferença, diante daquela conjuntura…

E se aquela maldição vingasse?   Davi, porém, não temia por isso.   Pelo contrário, aceitou aquele pequeno stress como mais uma prova que o Senhor lhe havia enviado.   Deixou que Simei o amaldiçoasse, mas esperou com fé que o Senhor  Yaweh visse aquilo, e lhe tornasse a maldição em bênção.   E prosseguiu em seu caminho, rumo ao deserto da Judeia.

Quando Davi orou no monte das Oliveiras, ele lançou sua sorte nas mãos de Deus, e esta foi a melhor coisa que fez durante aquela fuga.

Nesse ínterim, Absalão entra em Jerusalém com seu exército, sem obstáculo, sem luta, e sem resistência alguma.   A cidade o recebeu de portões abertos, e ele adentrou ali, indo logo à sala do trono, onde se assentava o seu pai Davi.   Ali mesmo ele se assentou, e já começou a traçar planos para buscar a cabeça do próprio pai.   Isto é terrível!

Logo se lhe apresenta Husai, o arquita, saudando-o de forma a render-lhe as mesuras dignas de um verdadeiro rei, tal como fazia quando se dirigia a Davi.

Absalão, a princípio, desconfiou dessa “mudança de bandeira” tão repentina, e começou a interrogá-lo.   Um amigo de Davi, ali, a dizer que seria fiel ao novo rei posto?   Parecia estranho, mas não muito, quando se trata de política… Husai, porém, com muita sabedoria, consegue então convencer ao usurpador do trono de que ele estaria ao seu lado, da mesma forma com que estivera antes com Davi.   Mediante aquelas palavras, Husai é aceito como um dos bons conselheiros de Absalão.

Deu-se então a abertura para que uma sessão de debates e aconselhamentos se iniciasse.   Aitofel sugere a Absalão para manter relações sexuais com as dez concubinas de Davi, as quais tinham ficado cuidando da casa real.   Armaram, então, uma tenda no eirado do palácio real, onde tudo pudesse ser visto ou notado, dependendo da perspectiva do olhar dos observadores.   Os guardas que ficavam sobre o muro da cidade, ou mesmo os que se postavam no palácio, por exemplo, à distância puderam testemunhá-lo.

Naquela tenda “nupcial”, Absalão coabitou com as dez concubinas de seu pai, uma após outra, o que todo o Israel pôde ver e saber sobre este seu ato abominável, efetuado por seguir um conselho de Aitofel.    Este ato se expôs assim diante de todos para que todo o Israel soubesse que Absalão odiava ao próprio pai, o que incitava o povo a que  também passasse a odiar a Davi.   Imagina-se que depois disso, Absalão teve que repousar por certo tempo para refazer suas forças…

Davi estava então colhendo o fruto de seus pecados, e da educação mal direcionada dada a seus filhos.   Ao pecar ali no eirado do palácio, Davi teve que sofrer o abuso e seu filho , ali, no mesmo lugar.   O profeta Natã havia dito uma palavra sobre este ocorrido, quando expôs o adultério e o crime cometido contra Urias (II Samuel 12:11,12).  Agora Davi contava, mais do que nunca, com a misericórdia do Senhor para não ser morto pelo seu filho rebelde.

Foram momentos de muita tensão e de uma expectativa que arrancava suspiros da família toda.

Tendo avisado a Zadoque e Abiatar de que ele, Davi, estaria se escondendo pelos leitos secos de rios temporários no deserto da Judeia, ele ficou à espera de notícias que poderiam ajudá-lo a saber o que fazer para escapar das mãos de Absalão.   Pois, como saberia qual a melhor direção a ser tomada?    Ele precisava saber quais os planos que Absalão tencionava colocar em ação.   Para cada hipótese, haveria uma providência apropriada – mas qual opção seria adotada por Absalão?   Para isto é que Davi contava com Husai, na corte dos conselheiros, e com os filhos dos sacerdotes para servirem de mensageiros e lhe trazerem as novas.

Ao ficar esperando nos vaus secos, onde antes corriam rios temporários, Davi aguardava em silêncio que a vontade do Senhor lhe fosse propícia.

É assim que muitas vezes acontece – pecados levam à vergonha, mas quando oramos ao Senhor, nossa sorte pode ser mudada, segundo as infindas misericórdias de Deus.

Esperar no Senhor, porém, é a parte dessa tramitação que muitos ignoram, mas é aí que podemos manifestar a nossa fé – e Deus se agrada quando pode contemplar a nossa fé viva, e em ação.

Tenhamos o bom senso de orar e esperarmos nEle, deixando tudo aos Seus cuidados paternos, em nome do Senhor Jesus.  A resposta divina certamente nos virá, no devido tempo.

 

 

 


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho