PRESTE ATENÇÃO!

0

marzo 15, 2013 by Bortolato

PRESTE ATENÇÃO!

“Outra vez me veio a palavra do SENHOR, dizendo: – Que vês¿…”

 

Preste atenção! Quantas vezes já ouvimos esta expressão – muitas, por certo!   Em casa, no lar, nas escolas por onde passamos…  Normalmente nos é chamada a atenção quando algo importante está para ser mostrado, ou dito, e não devemos ficar desatentos.

Há muitas coisas que nos distraem, e nem precisamos ter estímulos externos para ficarmos dispersivos.   Às vezes uma certa porção de palavras são faladas, e depois de um certo tempo o discurso começa a parecer cansativo – e então a nossa mente começa a se deixar atrair por simples pensamentos que não se fixam dentro do tema da preleção – e então divagamos, viajamos nas nossas ideias, para bem longe, longe… como que voando nas nuvens…

De repente, então, vem esta palavra: – “Preste atenção!” – como que num susto, acordamos, voltamos de nossa breve viagem, e o nosso espírito volta a ficar presente no local da palestra onde estávamos inicialmente.

Estava orando certo dia, falando com Deus, e, como sempre, pedindo-Lhe para atender a necessidades prementes, de pessoas próximas – alguns parentes com problemas graves, irmãos na fé cristã, e outros amigos.   Somos impelidos, constrangidos no espírito a orar por estes.

As necessidades eram muitas, de muitas pessoas.   Algumas, doentes, outras fragilizadas espiritualmente, envoltas em problemas sem solução plausível, e outras numa situação financeira temerária.   Todas elas lutando, e sentindo que a luta está difícil, cansativa, e as esperanças parecem desvanecer-se.   Sem mencionar-se o caso de algumas delas estarem ameaçadas pela proximidade de morte física.

Em meio às minhas orações, ouvi esta ordem, bem claro: – “Preste atenção!”

Esta palavra me foi enviada mais de uma vez, não me lembro se por duas ou três vezes.   É Deus insistindo.  E se Deus insiste, é porque a coisa é séria.   É algo mais sério do que o pedido de um professor lecionando em uma sala de aula.

É para se parar para pensar.  Isto significa: – “volte o seu espírito para este foco, pois aqui está um ponto importante da lição.   É importante!  Não deixe de aprender nesta hora! Não fique divagando!   Existe algo para ser aprendido, e chegamos ao ponto chave que não se pode perder, ponto crucial em que temos de concentrar ao máximo a nossa atenção.   Repare bem em cada detalhe!  Note bem!  Veja muito bem!  Se V. estava dormindo, ou simplesmente sonolento, então acorde!   Desperte!  Não deixe escapar as coisas agora!   Esta é a hora “H”.

Despertado por este alerta, como que chacoalhado, então percebi algo que não tinha notado antes: – as pessoas estão sendo cercadas.   Cercadas por problemas, dificuldades, aflições cada vez mais fortes.   E este cerco está cada vez mais apertado, cada vez mais sufocante.

As lutas que se nos apresentam estão ficando cada  vez mais acirradas.  Imaginamos que uma cerca elétrica está diminuindo o tamanho do seu perímetro, trazendo mais limitações a quem está dentro da batalha.

Quando jovens, tínhamos também problemas, lutas, dificuldades, mas tínhamos ainda aquela força, aquele vigor que nos levava a não temer a peleja, não importando o quanto esta durasse.   Que se passassem os anos, não pensávamos jamais que um dia aquelas forças declinaram; e ao nos aproximarmos da meia idade, que não nos cansaria qualquer espécie de impressão.  Nada grave, tudo normal, tudo está certo, achávamos.  Tudo vai bem, não há com que nos preocuparmos.

Certo dia, ouvi um velho pastor pregando na igreja, e dizendo que a idade avançada é incômoda, porque vêm as dores, e tudo dói.  Dói aqui, dói ali, e as parte que não doem, também já não funcionam mais como antes.   Esse pastor hoje já não mais está entre nós, diga-se de passagem.  Creio que hoje ele já não sente mais dores em seu corpo.

O fato é que todos desejamos ser como Calebe, que aos oitenta e cinco anos estava tão forte como quando tinha seus quarenta.   Ele queria lutar e conquistar mais(Josué 14:10-15).   Ele queria o monte de Quiriate Arba, outrora habitado por gigantes.   Imaginem um homem de 85 anos dizendo que quer lutar para vencer gigantes, e desapossá-los de um monte que tinha, em seu topo, uma fortaleza! mas Deus lhe deu, e esse lugar fica onde hoje é a cidade de Hebrom.   Isto lhe foi muito bom!   É muito bom quando empreendemos uma conquista e conquistamos!  Para isto não há limite de idade!

Todos queremos ser vencedores, mas não queremos passar por provações.   Queremos ter mente positiva, pensamento positivo, entusiasmo crescente, força, vigor e alegrias sem fim.  Nem queremos pensar em problemas –  isso, afinal, é só para os negativistas!   Ainda que estes venham, procuramos ignorá-los, ou minimizá-los, a fim de não nos deixarmos abater pelos mesmos.

Os problemas vêm, entretanto, um após outro, tão certo como não cessam as ondas do mar.   Como disse Jó sabiamente: – “O homem nasce para as dificuldades assim como as fagulhas estão destinadas a voar para cima” (Jó 5:7).  E essas dificuldades nos dão trabalhos, preocupações, conflitos, questões de difícil solução, enfim, apertos na vida.

Não é meu objetivo desanimar as pessoas, mas muito pelo contrário, preveni-las.   V. por certo está cansado dos problemas que a vida lhe traz, e gostaria que tudo fosse mais simples, de mais fácil solução.   Fique tranquilo, V. não está sozinho nesse barco.  Maiores problemas ainda estão por vir, mas não desanime.  Certamente que esta visão não causa muito conforto, ao sabermos disso, mas existe o outro lado da moeda.

Numa certa passagem de ano para o Ano Novo, ao cumprimentar a um irmão muito amado, que passava por uma série interminável de situações desconfortáveis, embaraçosas mesmo, e  conhecedor de todos os seus problemas, desejando-lhe o melhor, disse-lhe: – “Espero que neste Novo Ano Deus lhe resolva totalmente, todos os seus problemas.”   Ele então me respondeu: – “Ei, mas assim, então isto pode significar a minha morte.  Não é isto o que V. está me desejando, é¿”

Aquele diálogo teve um certo sabor de brincadeira, mas a verdade é esta: – só deixaremos de sofrer com lutas quando enfim tombarmos na nossa batalha final desta vida.  Quando formos para o céu.  Somente então, quando chegar esse dia, mas antes disso…

Daí perguntamos se V. quer que esse dia chegue logo.  É estranho, mas parece que isso ninguém quer, exceto alguém que já perdeu o seu equilíbrio, o juízo, e carece de bom senso em suas faculdades mentais.

Ainda sobre o caso de Jó, que desejou a sua própria morte e não escondia isso de ninguém, o que ele realmente desejaria era a sua vida.   Ele estava passando pelo vale escuro, muito mais escuro do que quaisquer pessoas que hoje conhecemos.   Perdeu todos os seus filhos, perdeu seus empregados, perdeu toda a sua riqueza (e com esta também o prestígio de que desfrutava), perdeu todo o conforto de sua alma, e por fim, perdeu a saúde, o bem estar físico.   Para ajudar mais um pouco, sua própria mulher torcia pela sua morte, não se importando nem com o seu futuro diante de Deus, e dali a pouco, aparecem amigos que vieram com altos discursos para acusá-lo de culpado de sua própria situação.

O fato é que o círculo do cerco da tribulação se fechou muito bem apertado para Jó e as coisas lhe foram de mal a pior a cada dia.  Por fim, ele soltou uma frase que denotou toda a sua fé em Quem o podia livrar:

“Eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim Se levantará sobre a terra, e depois de consumida a minha carne, verei a Deus” (Jó 19:25).

Todos quantos leram o seu livro conhecem a sua história.   Deus, o Seu Redentor, curou-o, libertou-o daquele cerco do mal, honrou-o mais do que antes, rodeou-o de outros filhos, e lhe acrescentou mais cento e quarenta anos!!! (42:16-17)

Depois disso, morreu Jó, já velho e farto de viver dias nesta terra.   Creio que se possível fora, Deus daria a Jó eternos dias e a eternidade aqui nesta terra, sem nunca morrer, mas isto não foi assim para o bem do patriarca.

Nossos dias passam, dia após dia, o tempo é marcado por todas alvoradas e respectivo anoitecer, mostrando-nos que há um tempo determinado também para a extensão da nossa vida.  Há um desenvolver, há um crescer, uma sucessão de coisas, um acúmulo de experiências, mas há também um entardecer, que traz uma penumbra, que anuncia a chegada da noite.   A noite vem, quando chega a hora de dormirmos, a hora em que cessam as atividades do dia.   A morte é um fato terrivelmente certa, e não há quem possa ludibriá-la, tanto quanto as noites chegam na terra.

Muitos querem esquecer-se deste fato, mas isso não muda nada, exceto quanto à anestesia que a fuga traz, mas o dia final virá a todos, sem distinção.   Como encarar então essa coisa tão cruel!

Um bom remédio é um coração alegre.  Não ignorante das lutas e dos problemas existenciais da vida.   Não devemos nos iludir com fantasias que nunca se concretizarão.   A fé remove montanhas, mas nem sempre somos chamados para removê-las.  Somos, sim, muitas vezes movidos a contornar montanhas.   As montanhas de problemas existem,  e estão aí, para todos, não vamos negar o fato.   Quando tropeçamos em uma pedra, não é saudável ficar lamentando.   Enquanto alguns lamentam, outros xingam, outros amaldiçoam, os mais aptos para a vida afastam essas pedras, e continuam a sua caminhada, como que já estivessem contando com aquele contratempo.   Não vale a pena chorar o leite derramado.   Quando alguém desfaz a teia da aranha, ela não desiste – ela vai lá e constrói uma outra, pois a vida continua!   Até o fim, da mesma maneira, vamos ter de lutar.

Existem maneiras diferentes de se encarar a morte.  O que será de cada um de nós quando cessar esta vida¿    Será que não iremos ter de encarar mais problemas ainda¿   A Bíblia e o Alcorão são unânimes em declarar que Jesus, o filho de Maria, foi o único profeta que curou doenças terríveis, as mais impossíveis de serem curadas, morreu mas ressuscitou, e um dia ainda há de voltar.  E ninguém mais como Ele.  Só Ele tem esse poder, essa chave em suas mãos.

Jesus, o Filho de Deus tem as chaves da morte e do inferno em suas mãos.  A quem quer, pode livrar.   Tudo depende de como nossa fé aceita a este Salvador.  Há alguns que O rejeitam, e com isso, rejeitam também as chaves que podem salvá-los da morte e do inferno.   Nas palavras do apóstolo João:

“Veio para o que era seu, mas os seus não O receberam, mas a todos quantos O receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus – a saber, aos que creem em Seu nome.” (João 1:12)

Hoje as pessoas rejeitam a Cristo de maneiras as mais sutis.   Dizem que já o aceitaram, mas dão as costas a Ele e aos seus.   Vivem como se Ele nem existisse.   Querem viver suas vidas sem preocupações com religião, igreja, padres, pastores, e tudo quanto diz respeito a essas coisas.   Nem sequer tiveram um encontro místico com Ele, e alguns desses apenas dizem serem cristãos.

Jesus, contudo nos espera de braços abertos, para desfrutarmos de uma doce, gostosa união com Ele.

Depende de cada um de nós – isto é individual, não se herda, não se passa por procuração, não há representantes que façam a nossa vez, tudo está exclusivamente na decisão e nas mãos de cada um.

Quem deseja vir ao encontro de Jesus¿   Isso não se trata de mudar de religião, nem de filosofia, mas sim, de recebermos prazerosamente Alguém muito especial para um relacionamento pessoal com Ele.   Eu e Jesus!  V. e Jesus!  Quem dera que todos tivéssemos esta relação de amor e ajustamento com o Rei dos Reis, e Senhor dos Senhores.  E sem interferências!

Quem O deseja assim, procura na Sua Palavra – a Bíblia – para ser mais específico, no Novo Testamento  (lembramos que a Bíblia é apenas o nosso livro de receitas celestiais, e para encontrarmos a Jesus, temos que seguir as Suas receitas, aplicando-as em nossas vidas).

Não deixe que pressões desta vida lhe impeça de seguir ao Seu chamado.  Ele diz-nos assim:

“Vinde a mim todos vós, que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei.  Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de Mim que sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vossas almas;  porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”.  (Mateus 11:28-30)

Não sei por que alguns se demoram muito para ir ao encontro de Jesus, desse abraço confortante e compensador, que acalma toda tormenta e sara de toda dor.

Não seja este o seu caso.   O tempo urge, na verdade, voa.  Façamos isto antes que cheguem os dias maus, e a confusão deste mundo fique pior do que já está.  Jesus é a solução.  ´É o único caminho que nos conduz à vida eterna e que vale a pena ser vivida.

Faça hoje o seu dia mais feliz.   Permita a Jesus entrar em sua vida e a participar do seu dia a dia.  V. nunca mais será o mesmo!


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho