O LIVRO DE GÊNESIS – XII

0

Noviembre 21, 2013 by Bortolato

 

Gênesis, capítulo 21 – O DEUS DO IMPOSSÍVEL CUMPRE O QUE DIZ

“Tudo é dado ao que crê”, disse Jesus (Marcos 9:23)  .

Crer com fé é depositar a confiança na pessoa que nos inspira para isso (no caso, quem nos inspira assim é Deus), e descansar, sabendo que Ele não nos desamparará.

Abraão creu, e recebeu seu filho prometido, proveniente do ventre de Sara.

Maria creu, e concebeu do Espírito Santo, mesmo sabendo que era virgem, e não conhecia varão (Lucas 2:26-38).

Manoá creu, e teve, como filho, Sansão (Juízes 13).

Ana creu, e concebeu e deu à luz a Samuel, e mais três filhos e duas filhas (I Samuel 2:21).

No tempo prometido, Deus fez com que Abraão e Sara tivessem suas forças redobradas.   Ele, com cem anos ,e ela com noventa.

“Riso” é o que significa o nome Isaque, porque quando alguém como Sara, mulher semita, da raça em que as estéreis são menosprezadas, tendo, já, passado da época de conceber, teve a maravilha de ver o poder do Altíssimo.   Sara riu-se, desta vez porque o seu coração sofredor foi visitado por Deus (21:6-7).   Abraão também se alegrou, sorriu,  e é possível que ambos tenham chorado muito, juntos  diante de um bebê que significava muitas coisas, mas uma delas era que Deus é bom, e Ele é fiel.  Foi-lhes fiel até no campo dos impossíveis.

Na verdade, esse milagre é múltiplo. Deus deu forças, virilidade e saúde a um idoso de 100 (cem) anos, de forma que Abraão viveu até os 175 (Cento e setenta e cinco), e gerou mais filhos com sua terceira mulher (Quetura).   Sara também recebeu nova vida, que se prolongou até os seus 127 (cento e vinte e sete) anos.  Deus deu fertilidade a ambos, Abraão e Sara, num milagre de dupla face, com o final feliz que a Ele agradou.

Deus deu forças para que Sara não abortasse o bebê.   Deus deu forças a uma mulher de 90 (noventa anos) engravidar, gerar uma criança em seu ventre, entrar em trabalho de parto normal, pois naquelas paragens, naquela época, não havia cesarianas.

Deus deu também forças para Sara, a fim de que esta pudesse amamentar a seu filho!

O que é isto?  É puramente a fidelidade de Deus, que desprendeu o Seu poder e o pousou sobre seus queridos…   Quantos hoje estão necessitados de um milagre que somente o Seu poder pode produzir, e não buscam a presença do Todo-Poderoso El Shadday.   Ah, se pudessem entender!  Quantas situações embaraçosas, opressoras, terríveis, angustiantes e sem solução seriam dissipadas com apenas uma palavra do Senhor!   Ele tem em Suas mãos a nossa vitória!   Vamos buscá-la, pois vale muito a pena!

O menino Isaque foi amamentado até crescer, e, no dia em que foi desmamado, manifestou-se em Ismael aqueles ciúmes que até hoje se vê dentro de seus descendentes.   Até certo ponto é natural haver ciúmes entre irmãos, mas isso é algo que precisa ser detido, antes que se  ultrapassem os limites, como aconteceu entre José e seus irmãos.

Na verdade, Ismael estava sendo criado numa região árida, onde havia disputas por caça, por água, por posições mais privilegiadas no território, pois a vida em si já era um desafio, e uma luta a cada dia.   Até o nascimento de Isaque, ele era o personagem mais adulado, e mais querido por seu pai.   Talvez a sua pessoa fosse mais importante para Abraão, do que a própria Sara.    A chegada de Isaque mexeu com tudo, em sua vida.   Aos seus olhos, ele havia perdido o seu pequeno trono em que se assentava, no acampamento de seu pai.  Possivelmente, ele nem estava pensando em bênção de primogenitura, naquelas alturas.   Como um irmão mais velho sente que perde o “colo” de seu pai, porque chegou o irmão mais novo, tudo isso lhe subia à mente como uma perda, que apontava para o beneficiado da situação, Isaque.  Quis, então, ele, posicionar-se como aquele que se defende, e aos seus interesses.   O carinho, a alegria, a festa dada só por causa do desmame de Isaque, o deixara sentindo-se desprestigiado diante de toda a casa de Abraão.

A zombaria lançada sobre Isaque foi então o resultado daquilo que ele já vinha sentindo por dentro, e que não conseguia expressar de outra forma.   Algo até compreensível, se analisarmos o caso sob o prisma da psicologia – mas também, algo que não deveria deixar-se crescer, para que não se repetisse o episódio que houve entre Caim e Abel.

Assim foi que então Sara  anteviu o problema surgir na sua forma de embrião, e não deixou para resolver depois:  logo quis e foi falar com Abraão com tom de exigência, pedindo a retirada de Hagar e de Ismael, de suas tendas.

Abraão sentiu-se constrangido e entristecido pela situação: Sara foi quem lhe pedira dantes para gerar de Hagar a Ismael, e agora era ela mesma quem estava apontando-lhes o dedo para fora do acampamento .   Aquilo não lhe pareceu justo e nem algo de bom.  Chocado, Abraão via-se constrangido a praticar um ato de falta de consideração, um desmando sem razão de ser.   Dentro de seu coração, aquilo jamais teria tido lugar na vida de sua família.   Ele se sentiu mal com isso e ficou inconformado.  

Deus, contudo, aplacou-lhe o coração; havia a necessidade de uma separação, e o Senhor escolheu que Abraão acolhesse a Sara e Isaque;  logo, Hagar e seu filho teriam que partir.  Isso foi doloroso para o servo do Senhor, mas como foi Ele quem lhe falou a respeito desse dilema, só restou a opção de ouvi-Lo, e fazer o que Ele recomendou – esta era acabou ficando como  a melhor coisa a ser feita, e foi o que Abraão fez.   Deus promete, então, cuidar da sua concubina (ex-escrava), e de seu filho, deixando-lhe  a promessa de uma numerosa nação, a nação que mais tarde se formou com os  árabes, repousada sobre o seu filho mais velho, Ismael.  Mesmo constrangido, aquela palavra consolou a Abraão, que creu mais uma vez no Senhor.

Ao serem lançados no deserto, embora com alguma provisão de água e pão, isso logo se acabou.  Para Hagar, aquilo parecia ser o fim.  Acabada a água, ela tratou de separar-se de Ismael, para não vê-lo morrer de sede, e então se foi indo, até que parou de caminhar e ficou ali, chorando.   Ali mesmo o anjo de Deus entrou em ação, bradando-lhe, e exortando-a a voltar para tomá-lo pela mão.   Foi então que Hagar viu um poço de água, e com este, o início de uma série de mostras que Deus começou a lhe dar, de que Ismael era,  diante do Altíssimo, também, um filho querido.   Isto ficou patente aos olhos de Hagar.   Em Gn 16: 10-12 já o anjo lhe havia dito que Ismael seria pai de uma grande nação, ocasião em que ela, reconhecida, chamou  ao Deus de Abraão de  El-Roi, o Deus que a tudo vê.   O Senhor passou a ser também o Deus de Ismael, que se tornou um flecheiro, e um valente habitante do deserto.  Ele ouve ao clamor de todos os desamparados e perseguidos, sustenta-os, e os abençoa.   O Seu amor não nos abandona.

Gênesis 21:22-34 – UMA ALIANÇA PROVEITOSA

Abimeleque, rei de Gerar, resolve ter um pacto de aliança com Abraão, visto que percebeu como o Senhor o abençoava.

Em versos 21 a 23, ele pede: “Jura-me por Deus”.   No Antigo Testamento esta expressão era ainda permitida, porém, no Novo tornou-se fórmula proibida por Jesus, bem como qualquer tipo de juramento.

Houve uma questão entre ambos, que tinha ficado pendente aos olhos de Abraão:  os servos de Abimeleque tomaram-lhe à força um poço de água do qual se servia seu numeroso gado – e a água era coisa preciosa em uma área desértica como aquela.

Abimeleque se retrata, e ambos concordam que Abraão tem razão, e o local foi chamado de Berseba, que significa “poço do juramento”, ou “poço dos sete”.  Até hoje existem esses poços naquele mesmo lugar.

Abimeleque volta então para a terra dos filisteus (verso 32), pois aquela área, muito embora prometida por Deus a Abraão, este teve que sempre fazer alianças com povos vizinhos, a fim de poder criar raízes e assentar-se em paz.   A terra dos filisteus, como emigrantes oriundos da ilha de Caftor (Creta), normalmente se fixava nas regiões litorâneas de Canaã, onde estes edificaram suas cidades.

Abraão planta, então, ali, um bosque e invoca o nome do Senhor – não somente orando, mas também proclamando, em alto e bom som, sobre o seu íntimo relacionamento com este Deus maravilhoso, diante de todos de sua casa, inclusive servos, servas e seus filhos.

Gênesis, capítulo 22 – A MAIOR ENTREGA DE ABRAÃO

Sacrifício de Isaque

No capítulo anterior, vimos que Deus provou a Abraão, fazendo-o renunciar a seu próprio filho, Ismael, juntamente com Hagar, mulher da qual o gerara.   Este foi-lhe, já, um enorme sacrifício dentro de seu coração.

Neste capítulo 22, a prova que Deus pede que Abraão lhe dê, então, tornou-se o maior desafio que este servo já havia enfrentado.

Este capítulo marca um episódio de solidificação das relações entre Abraão e Deus.  Não se trata de um simples  acontecimento, mas de uma cena marcante, até chocante e estranha aos nossos olhos, nos tempos modernos, mas ao mesmo tempo, uma lição tremenda que nos elucida vários aspectos da vida, nos campos espiritual e profético.

Tantas vezes o Senhor já havia falado com Abraão, e este prontamente O obedeceu, reconhecendo ser a parte mais fraca e menos sábia desse relacionamento.

Sabemos que o Todo-Poderoso é Deus de paz, pois falará de paz ao Seu povo.

Não sabemos como Abraão discerniu que aquela era a voz do Senhor, mas ele não duvidou, mesmo sabendo que estava recebendo uma ordem que não parecia ser a de um amigo.  Como ele pôde perceber e ter certeza de que aquela voz era do Grande El Shadday, seu grandioso amigo?   Esta é uma questão que não podemos esclarecer, pois trata-se de foro íntimo, mas apenas dizer  que o Senhor conquistou o coração do patriarca, e este lhe doou, todo aberto, o que de mais precioso tinha em sua vida: o seu próprio filho.

Não se deve, hoje, oferecer um filho sobre um altar de holocaustos, sem dúvida, mas há relatos bíblicos de outras pessoas que assim procederam para obter o favor do Senhor, como foi o caso de Jefté (Juízes 11:29-40).   Este parecia ser um ato de coragem, renúncia e resignação, e podia se contado, às vezes, em algumas culturas da época.

Para Abraão, entretanto, era mais do que isso tudo.  Era doar aquilo que ele havia anelado, e pedido, rogado a Deus por muitos anos de sua vida: seu filho, mas não somente seu filho, era o seu querido filho Isaque, aquele filho que Deus lhe havia prometido.

Diz o verso 1º que “tentou Deus a Abraão”, mas Tiago 1:13 nos escreve que “ninguém, sendo tentado, diga: de Deus sou tentado, porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta”.   Mais adiante, no verso 14, ainda diz que “… cada um é tentado quando atraído pela sua própria concupiscência”.

A oração do Pai Nosso reza ainda: – “não nos deixes cair em tentação”…

Como concatenar tais ideias, se as palavras se no-las apresentam aparentemente contraditórias?

Na verdade, diremos que Deus pôs o coração de Abraão sob um teste de fidelidade.  Ele de fato não desejava a morte de Isaque, e ao mesmo tempo tinha em mente mostrar ao mundo que uma fé como a que teve Abraão é algo possível e digno de ser imitado.

Um filho único, prometido pelo Senhor, que seria o pai de uma nação, e que sua descendência abençoaria o mundo!   Aquilo realmente encheria o coração de qualquer pai, e Abraão estava muito seguro de que estava caminhando na estrada certa, agradando ao seu Amigo, o Grande Deus.   Abdicado de toda e qualquer idolatria, obedecendo ao Senhor a cada passo, sendo-lhe Ele o seu escudo, e a sua grande recompensa!   E de fato, Abraão já tinha recebido amplas provas da boa amizade do Senhor do céu e da terra.   Sua mão forte na batalha, para libertar o seu sobrinho das mãos dos reis da Mesopotâmia, Sua atuação decisiva para liberar Sara das mãos do Faraó e do rei de Gerar, a concepção de Isaque no ventre de Sara, o nascimento do menino, seu crescer a cada dia… tudo isso mostrava que Abraão não cria em vão no Excelso, e ainda acrescido de toda aquela invejada e até mesmo temida prosperidade material…

Aquele pedido de Deus lhe veio como uma chocante revelação. Mais parecia uma reprimenda, como um golpe de uma forte bofetada que abalou ao homem de Deus.  Abraão ficou um tanto confuso, mas não se negou a fazê-lo.

Passou uma noite de luta espiritual, dentro de seu íntimo.  Pensou: – aonde Deus está querendo chegar?  Tenho eu lhe desagradado de alguma forma?   Ele Se irritou comigo por algum motivo?   O seu coração não encontrava uma razão para “aquilo”.

O fato é que temos de considerar que Deus nos dá muitas bênçãos, e delas somos apenas administradores, meros mordomos, cuidando das propriedades divinas – e até de nossos filhos!

Abraão queria ter um herdeiro, e muitas vezes lançou sua petição ao Deus do céu.   Deus o ouviu e lhe concedeu, mas há um pormenor muito importante:  os filhos são bênçãos, são herança DO SENHOR, e não são nossas propriedades.  Por mais que os amemos, eles não nos pertencem, estão sendo emprestados num ato de suprema graça, para nossa alegria e por certo tempo – e nem sabemos por quanto tempo!   Não nos cabe recebê-los como se fossem apenas produto natural dos nossos corpos mortais.

Abraão se contorcia em seu leito, levantava-se,  andava um pouco, matutando.  Punha-se de joelhos, e orava.   Como entender aquele pedido de seu maior Amigo, Deus, o Grande El  Shadday?

Depois de muita agitação em seu interior, na alma, depois que Abraão sofreu um bocado, pensando que, talvez o Senhor quisesse a Isaque, e depois disso, um outro filho seria gerado dele e de Sara… mas não, Ele prometeu, quando dispensou a presença de Hagar e de Ismael, que em Isaque e que seria suscitada aquela sua semente que traria bênçãos a todos (Gn. 21:12).    Se Ele quisesse Isaque morto, realmente, então Ele não recomendaria que Hagar e Ismael fossem despedidos de seu arraial, pois então agora Abraão ficaria sem Ismael e também sem Isaque?   Isto seria uma tragédia, e Deus não estaria querendo tal coisa, tão terrível assim!

Isaque é, então, o filho da promessa, prova do amor de Deus , que lhe concedeu um filho impossível de ser gerado!  Pois Ele é perito, muito versado, e tem prazer em fazer coisas difíceis e impossíveis!   Da semente de Isaque é que viria o descendente que faria benditas todas as nações da Terra.  Em Gálatas 3:8 lemos que Deus anunciou este evangelho primeiramente a Abraão!

Então um pensamento lhe veio como que por insight – “Ele quer que eu lhe entregue a Isaque, porque precisa  que eu prove a mim mesmo que Ele é mais importante, Ele toma o lugar de maior importância dentro de meu coração!   Isaque então deve morrer, para que Ele Se agrade de meu coração, mas para que a Sua promessa se cumpra totalmente, então o meu Isaque irá ressuscitar!   Mesmo depois de morto, ressuscitará!  Este é o ponto!  Esta é a questão! Está esclarecido, e resolvido o problema!  Ou então, Ele voltará atrás, antes do ato consumado?  Talvez, não sei… veremos!” (Hebreus 11:17-19).

Com esta atitude de fé absoluta, Abraão cosegue conciliar o seu coração com a vontade de Deus.   Encontra uma paz, um enlevo na alma inexplicável, um sentimento de harmonia com todo o céu e então sente-se repousar.   Seria a hora de deitar-se, mas logo começaram a raiar as primeiras luzes do dia.   A noite foi-se, ele perdeu o sono e o seu repouso, mas então estava já se sentindo melhor por dentro de seu interior.  Resolve, então, levantar-se, manda albardar o seu jumento, chama dois de seus servos jovens, chama a Isaque, fendeu lenha para o sacrifício, e avisou a Sara que estava de saída.

Sara pareceu não entender por que o menino, tão novo, teria que ir naquela viagem misteriosa.   Por que lenha?  E sem o animal para o sacrifício!   Que estranho!  Pergunta a Abraão, e este lhe dá uma resposta lacônica, não muito esclarecedora, insinuando que o cordeiro será apanhado pelo caminho…   Será isso mesmo?   De qualquer forma, ela ficou pensativa, mas aceitou a palavra, pois seu marido era um homem fiel, íntegro, equilibrado, sensato…   Ficou, pois, a impressão de que aquela viagem parecia ter algum mistério, e algo que não se encaixava no seu entender…   Teve vontade de ir junto, mas Abraão não lhe deixou aberta esta opção.   Sua alternativa era ficar…   orando em todo o tempo, até que voltassem.

Abraão sai, então, de Gerar, e vai até o monte Moriá, que ficava dentro da área da atual Jerusalém, passando ao lado do Mar Morto.   Ali, puderam contemplar mais uma vez o que restara das cidades de Sodoma e Gomorra.   Ali, pôde narrar mais uma vez como foi a história da impenitência obstinada e da destruição daquelas duas cidades.   Os jovens ficaram mais uma vez impressionados, e temendo ao Grande Elohim, El Shadday, Todo-Poderoso, justo, digno, virtuoso, verdadeiro e santo.   Eles, em seus corações, propõem-se então a auto-examinar-se, aplainar os seus caminhos diante do Senhor.   Isaque também ficou meditando em tudo aquilo.

Chegam, então, ao terceiro dia de viagem, ao almejado monte, ao longe o avistam.  Abraão pede aos moços que ficassem por ali, com o  jumento, esperando pelo seu retorno.

Tomou lenha, pô-la sobre os ombros de Isaque, levou um pouco de fogo, e o cutelo em sua mão.  Chegam-se ao monte, e um diálogo acontece.  Isaque pergunta: – “Onde está o cordeiro para o holocausto?”

Respondeu-lhe Abraão:  “Deus proverá para Si, meu filho, o cordeiro para o holocausto” – e prosseguem caminhando.  Mas esta era somente uma hipótese.  E se Deus não o provesse?   Isaque certamente seria sacrificado, mas a fé era de que seu filho não jazeria na morte.  O Senhor é quem nos dá a vida, e Ele sabe como erguer alguém da cova da morte.

Chega, então a hora fatídica.   Era hora de revelar a Isaque que ele seria a vítima.   Isaque não fugiu.   Não se negou a ser sacrificado.  Obediente como um cordeiro, apenas lamentou por dentro de sua alma.   Pensou: – “se meu pai, este servo fiel ao seu Deus, a quem nós servimos, disse que o Senhor assim o quis, então não há outra saída, seja como Ele, o santo Deus que me deu vida, o quiser.   Ele dá a vida miraculosamente, e a toma quando a quer.   Seja feita a Sua santa vontade.”

Isaque deita-se sobre a lenha, amarrado, como se fazia com os cordeiros da oferta.   Como os cordeiros, seus olhos estão marejados de lágrimas, para aquele difícil momento.

Abraão ergue seu braço empunhando a adaga.   Chegou ao limite da fé que agrada a Deus.

Gênesis capítulo 22:

Na realidade, Abraão estava determinado a ir até o fim, nessa sólida obediência.   Não titubeou.   Quando tomou da adaga para dar o golpe final, já estava pensando em logo depois atear fogo na lenha, e oferecer o seu próprio filho, o seu caçula, único mais achegado, querido, amado filho, a Deus.

O Senhor que conhece o interior de cada criatura, já antevia isto,  Ele já sabia que Abraão não lhe negaria o seu amado, e único de sua mãe Sara.   Para Deus, não haveria necessidade de se desenrolar todo aquele drama, para saber o que Abraão faria.  Acontece que Abraão mesmo não o sabia, até que ele venceu toda a dúvida naquela noite anterior, e a madrugada daquele dia seguinte, de provação.  O Senhor deixou que ele levasse aquela luta íntima até o último segundo, a fim de que Abraão ganhasse, naquela experiência, uma recompensa maior, e uma história de impressionar  ao mundo, e influenciar a uma grande multidão para crer em Deus.   Com isto, ele ganhou o título de “pai da fé” entre os teólogos do Antigo  Testamento(Gn. 22:1-2, 12).

Mais um propósito subliminar de Deus estava emergindo naquele acontecimento.   O Senhor quis também que Abraão sentisse o mesmo que Ele veio a sentir cerca de 2.000 (dois mil anos) depois:   a dor de ver o Seu Único Filho, Jesus, carregando madeiro de uma forma muito mais dramática do Isaque o fizera, para ir ruma àquele mesmo monte Moriá, em Jerusalém, para cumprir uma parte do Seu plano de salvação da raça humana – com a grande diferença de que Ele não poupou a Jesus, e Jesus foi o herdeiro que Deus preparou para aquele holocausto.

A Cruz (2)

“No monte do Senhor se proverá… “ (22:13).  Ele, Jeová Jiré, esteve provendo um carneiro para substituir a Isaque, mas também proveu Jesus para substituir-nos, naquele mesmo lugar.

Abraão ficou comprovadamente o amigo que sofreu a mesma dor de perda de Deus Pai, como que condoendo-se pela dor da perda do Filho do Senhor – e Deus o abençoou, e a sua descendência,  da qual sairia o “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1:29), tal como o atestou João Bastista – e da qual veio o Rei que governará este mundo eternamente.

Abraão sabia desse mistério?   Em parte sim, mas daí se vê a necessidade da fé.   Abraão se solidarizou com a dor do Pai, pela fé.   Ele não sabia e não entenderia muitas daquelas coisas de Deus, mas concordava, mesmo que tivesse que sofrer a sua maior perda, crendo mesmo no desconhecido.  Mas foi recompensado, porque compreendeu em seu espírito tudo quanto o Senhor estava embutindo em Seu protoevangelho.

Poderia ser que ninguém mais no mundo se condoesse com a dor de Deus,o Pai, de ter que ver morrer o Seu próprio Filho, especialíssimo, único, Filho de Deus, mas Ele pôde contar com Seu amigo Abraão, que tanto amor nutria por Ele, naquele momento.

Paulo diz em Gálatas 3:8 que o evangelho foi anunciado primeiro a Abraão, dizendo: – “Todas as nações serão benditas em ti.”     Com aquela palavra, contendo esta anunciação, Jesus, o Senhor, disse um dia:

“Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e alegrou-se” 

Todos bons amigos participam das tristezas, uns dos outros e por isto é que o Senhor o alegrou no espírito, ao lhe mostrar, através da fé, que a semente única de Abraão,  Jesus, um dia viria a brilhar nesta Terra – onde um dia há também de reinar!  E não era para ele se alegrar?

Gênesis capítulo 23 –

“Preciosa é aos olhos do Senhor a morte dos seus santos” (Salmo 116:15).

Sara morre aos seus 127 anos.

Abraão compra de Efrom, um campo e uma cova, e ali sepulta a Sara – no chamado campo de Macpela, defronte de Manre, em Hebrom, terra de Canaã.

Este foi o único pedaço de terra de que Abraão se apropriou em Canaã, mas na época de Josué, todo o mais seria possuído, cerca de 700 (setecentos) anos depois.

NOTA ARQUEOLÓGICA:

A Cova de Macpela fica à encosta ocidental de Hebrom, onde foi erigida uma mesquita.  Em 1862, o Príncipe de Gales pôde ali entrar sob permissão especialíssima do Sultão.   Ali, aos cristãos não nos é permitido entrar.   Ali estavam os túmulos de pedra de Abraão, Isaque, Jacó, Sara, Rebeca e Léa.   Uma abertura circular conduz a uma caverna anexa, guardada por maometanos.


0 comments »

Disculpa, debes iniciar sesión para escribir un comentario.

Comentarios recientes

    Fatos da História

    Evangelho